PCP não quer "nacionalizar prejuízos" do BES

Referências à situação no banco de Ricardo Salgado motivou risos e apartes do primeiro-ministro o que levou Jerónimo de Sousa a atacar Passos Coelho. "Não se ria, senhor primeiro-ministro".

Já na parte final da intervenção do secretário-geral do PCP, no debate do Estado da Nação, esta quarta-feira à tarde, Jerónimo de Sousa apontou o dedo à "crise" no Banco Espírito Santo (BES) para sublinhar que há "ligações tentaculares de domínio económico e político, numa inadmissível promiscuidade para obter apoios públicos, perdões fiscais e toda uma panóplia de benesses e favorecimentos para os seus negócios".

O líder comunista defendeu então, como já tinha feito no fim de semana passado, que "estes são acontecimentos que dão razão à insistente exigência do PCP de pôr a banca comercial sob controlo público ao serviço do País e não desta ou daquela família ou grupo de acionistas". Para rematar, perante os risos de Passos Coelho, com o apelo de que "não repitam os episódios do BPN e BPP nacionalizando os prejuízos".

Da tribuna, Jerónimo de Sousa não gostou de ver o primeiro-ministro a rir-se e atirou. "Não se ria, senhor primeiro-ministro", recordando então que "ainda há um mês dizia que estava tudo bem" no BES.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.