PCP não quer "nacionalizar prejuízos" do BES

Referências à situação no banco de Ricardo Salgado motivou risos e apartes do primeiro-ministro o que levou Jerónimo de Sousa a atacar Passos Coelho. "Não se ria, senhor primeiro-ministro".

Já na parte final da intervenção do secretário-geral do PCP, no debate do Estado da Nação, esta quarta-feira à tarde, Jerónimo de Sousa apontou o dedo à "crise" no Banco Espírito Santo (BES) para sublinhar que há "ligações tentaculares de domínio económico e político, numa inadmissível promiscuidade para obter apoios públicos, perdões fiscais e toda uma panóplia de benesses e favorecimentos para os seus negócios".

O líder comunista defendeu então, como já tinha feito no fim de semana passado, que "estes são acontecimentos que dão razão à insistente exigência do PCP de pôr a banca comercial sob controlo público ao serviço do País e não desta ou daquela família ou grupo de acionistas". Para rematar, perante os risos de Passos Coelho, com o apelo de que "não repitam os episódios do BPN e BPP nacionalizando os prejuízos".

Da tribuna, Jerónimo de Sousa não gostou de ver o primeiro-ministro a rir-se e atirou. "Não se ria, senhor primeiro-ministro", recordando então que "ainda há um mês dizia que estava tudo bem" no BES.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."