PCP: Governo esquece os pequenos proprietários

A Direcção Regional do Alentejo (DRA) do PCP alertou hoje para a "gravíssima" situação da agricultura na região, criticando o Governo por, das "poucas medidas" que tomou, as destinar no essencial aos grandes proprietários.

"Face a esta grave situação, as poucas medidas que o Governo tomou, aparecem, no essencial, destinadas aos maiores proprietários e a grandes empresas ligadas à pecuária", argumenta a estrutura comunista.

A DRA do PCP, em comunicado enviado hoje à Agência

"Os preços à produção mantêm-se em baixa, enquanto os preços dos fatores de produção não param de subir, atingindo recordes históricos. Por exemplo, o preço do gasóleo agrícola caminha para ficar no dobro do que era em 2005", exemplifica.

O Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER) também é alvo das críticas comunistas, devido ao desequilíbrio entre os apoios concedidos aos grandes proprietários e as verbas destinadas aos pequenos agricultores.

Segundo a DRA do PCP, "60 por cento dos projetos abaixo de 100 mil euros de apoio recebem 10 por cento de toda a verba contratada, enquanto 10 por cento dos projetos recebem quase 60 por cento de toda a verba contratada".

A seca que assola o país, e em especial a região alentejana, é outro dos assuntos focados no comunicado do PCP, que garante que as culturas de outono/inverno "estão já comprometidas" e, no setor da pecuária, os produtores "estão já utilizar as reservas alimentares que deveriam ser utilizadas no verão".

A DRA considera "bastante insuficiente" a antecipação, "na melhor das hipóteses para outubro, ou seja, a dois meses apenas do pagamento normal", de metade das ajudas da Política Agrícola Comum (PAC), no âmbito do Regime de Pagamento Único.

"Importa referir que o Governo ainda não pagou aos agricultores e à lavoura cerca de 150 milhões de euros correspondentes a várias ajudas do ano passado e até de 2010", denunciam, reclamando do executivo tais pagamentos.

O empreendimento do Alqueva também merece críticas do PCP ao Governo do PSD/CDS-PP.

A DRA exige do executivo "algumas garantias relativamente à conclusão" do projeto, "nomeadamente aos agricultores que fizeram investimentos em função de um calendário que, agora, o governo nega cumprir".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.