PCP entrega projeto para forçar reintegração de professores

O PCP anunciou esta quinta-feira a entrega de um projeto de resolução para obrigar o Ministério da Educação a reintegrar cerca de oito mil professores contratados que, por diversos motivos, não fizeram a prova de avaliação de competências.

O PCP anunciou esta quinta-feira a entrega de um projeto de resolução para obrigar o Ministério da Educação a reintegrar cerca de oito mil professores contratados que, por diversos motivos, não fizeram a prova de avaliação de competências.

Este diploma foi apresentado em conferência de imprensa, no parlamento, pela deputada comunista Rita Rato, durante a qual criticou "a incerteza e a instabilidade que marca a abertura deste ano letivo nas escolas".

"O PCP decidiu apresentar um projeto que visa salvaguardar os oito mil professores que foram afastados dos concursos por força da aplicação dos efeitos da prova dita de avaliação de competências. Com esta iniciativa, o PCP pretende salvaguardar que estes professores possam ir a concurso e tenham acesso aos seus postos de trabalho", referiu Rita Rato.

Segundo a deputada do PCP, na sequência da prova de avaliação de competências, "96 por cento dos professores que foram afastados" são docentes que estiveram envolvidos de alguma forma no processo dessa prova.

"Houve situações muito diversas, como a de professores que, tendo-se dirigido para fazer a prova, obtiveram o comprovativo da escola que estiveram lá na realidade, mas que acabaram por não realizar a prova por força da greve de professores - e assim ficaram depois impedidos de concorrer. Houve também professores que, por efeito da não realização da prova, não puderam fazê-la", exemplificou Rita Rato.

Perante estes casos, Rita Rato acusou o Governo de ter posto em marcha "um ato de intimidação e de chantagem sobre esses professores, acabando por castigá-los por efeito da aplicação da prova".

"Entendemos que é inaceitável que o Governo pretenda afastar dos concursos cerca de oito mil professores, dizendo que esses oito mil professores contratados deixaram de constar no sistema", frisou ainda a deputada do PCP.

No mesmo diploma, o PCP insiste também na revogação prova de avaliação de competências "por ser profundamente injusta" e defende que "todas as necessidades permanentes das escolas sejam supridas através de contratos efetivos e não através de contratos temporários".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.