PCP e BE: mensagem de Cavaco foi "puxão de orelhas"

PCP e Bloco de Esquerda (BE) definiram hoje como um "puxão de orelhas" ao Governo a mensagem de Cavaco Silva sobre o diploma da lei do segredo de Estado, com PSD e CDS-PP a desvalorizarem as críticas da oposição.

"Não há aqui nenhum drama. É o funcionamento regular das instituições", disse Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP, no parlamento, secundado por Teresa Leal Coelho, do PSD, que afirmou que este "não é um facto inédito na ordem jurídica portuguesa" e o Presidente da República suscitou a "cooperação institucional" dos partidos sobre a matéria.

Antes, o deputado do PCP António Filipe acusou o Governo de levar um "puxão de orelhas", embora "suave", de Cavaco Silva, com Pedro Filipe Soares, do BE, a definir como "trapalhada legislativa" todo o processo em torno desta lei.

Já o PS, por Pedro Delgado Alves, chamou a atenção para as alterações feitas no texto, em concreto no código penal, sublinhando que "não se trata apenas de uma mera precisão linguística" e há novas questões que têm de ser avaliadas no diploma da lei do segredo de Estado.

O primeiro plenário da quarta sessão legislativa da XII Legislatura abriu hoje com a leitura da mensagem do Presidente da República ao parlamento sobre a revisão da lei do segredo de Estado, onde pede a "reponderação" de algumas normas.

Na mensagem, lida pela presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva defende uma "reponderação" por parte dos deputados em relação às normas sobre a desclassificação de matérias, documentos ou informações sujeitos ao regime do segredo de Estado e sobre a tipificação do crime de violação de segredo de Estado, "eliminando as dúvidas ou equívocos interpretativos que possam subsistir numa matéria de tão elevada sensibilidade".

A leitura da mensagem antecedeu a discussão em plenário de um projeto de lei conjunto do PSD e do CDS-PP que propõe alterações ao diploma da lei do segredo de Estado, promulgada pelo Presidente da República no final de julho.

Relativamente à desclassificação de matérias, documentos ou informações sujeitas ao regime do segredo de Estado, a maioria PSD/CDS-PP propõe a alteração do número 2 do artigo 6.º do regime do segredo de Estado, que deverá passar a ter a seguinte redação: "apenas tem competência para desclassificar matérias, documentos ou informações sujeitos ao regime do segredo de Estado a entidade que procedeu à respetiva classificação definitiva e, no caso dos vice primeiros-ministros e dos ministros, estes ou o primeiro-ministro.»

A revisão da lei do segredo de Estado aprovada antes das férias parlamentares estabelecia que "apenas tem competência para desclassificar matérias, documentos ou informações sujeitos ao regime do segredo de Estado a entidade que procedeu à respetiva classificação definitiva ou o primeiro-ministro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.