PCP e BE: mensagem de Cavaco foi "puxão de orelhas"

PCP e Bloco de Esquerda (BE) definiram hoje como um "puxão de orelhas" ao Governo a mensagem de Cavaco Silva sobre o diploma da lei do segredo de Estado, com PSD e CDS-PP a desvalorizarem as críticas da oposição.

"Não há aqui nenhum drama. É o funcionamento regular das instituições", disse Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP, no parlamento, secundado por Teresa Leal Coelho, do PSD, que afirmou que este "não é um facto inédito na ordem jurídica portuguesa" e o Presidente da República suscitou a "cooperação institucional" dos partidos sobre a matéria.

Antes, o deputado do PCP António Filipe acusou o Governo de levar um "puxão de orelhas", embora "suave", de Cavaco Silva, com Pedro Filipe Soares, do BE, a definir como "trapalhada legislativa" todo o processo em torno desta lei.

Já o PS, por Pedro Delgado Alves, chamou a atenção para as alterações feitas no texto, em concreto no código penal, sublinhando que "não se trata apenas de uma mera precisão linguística" e há novas questões que têm de ser avaliadas no diploma da lei do segredo de Estado.

O primeiro plenário da quarta sessão legislativa da XII Legislatura abriu hoje com a leitura da mensagem do Presidente da República ao parlamento sobre a revisão da lei do segredo de Estado, onde pede a "reponderação" de algumas normas.

Na mensagem, lida pela presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva defende uma "reponderação" por parte dos deputados em relação às normas sobre a desclassificação de matérias, documentos ou informações sujeitos ao regime do segredo de Estado e sobre a tipificação do crime de violação de segredo de Estado, "eliminando as dúvidas ou equívocos interpretativos que possam subsistir numa matéria de tão elevada sensibilidade".

A leitura da mensagem antecedeu a discussão em plenário de um projeto de lei conjunto do PSD e do CDS-PP que propõe alterações ao diploma da lei do segredo de Estado, promulgada pelo Presidente da República no final de julho.

Relativamente à desclassificação de matérias, documentos ou informações sujeitas ao regime do segredo de Estado, a maioria PSD/CDS-PP propõe a alteração do número 2 do artigo 6.º do regime do segredo de Estado, que deverá passar a ter a seguinte redação: "apenas tem competência para desclassificar matérias, documentos ou informações sujeitos ao regime do segredo de Estado a entidade que procedeu à respetiva classificação definitiva e, no caso dos vice primeiros-ministros e dos ministros, estes ou o primeiro-ministro.»

A revisão da lei do segredo de Estado aprovada antes das férias parlamentares estabelecia que "apenas tem competência para desclassificar matérias, documentos ou informações sujeitos ao regime do segredo de Estado a entidade que procedeu à respetiva classificação definitiva ou o primeiro-ministro".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.