PCP abre festival com 25 de abril na agenda

O PCP vai dedicar atenção especial aos 40 anos do 25 de Abril na 38.ª edição da "Festa do Avante!" e tentar estimular a "confiança no futuro" do povo português, prometendo discursos marcantes do secretário-geral, sexta-feira e domingo.

"Esta festa vai falar muito de futuro e de confiança no futuro, no futuro da festa, do partido e da luta do povo e do país. É disto que também precisamos neste momento, imprimir confiança a um povo que está a ser esmagado, violentado e que, por vezes, é natural que perca a confiança e até a perspetiva. Poderia destacar, pela importância política que vai ter, a abertura da festa e o conteúdo do discurso do secretário-geral. Vai ter algum impacto e vai marcar a própria festa", disse à Lusa o membro do comité central comunista Angelo Alves.

Jerónimo de Sousa vai dirigir-se aos milhares de pessoas que anualmente acorrem à Quinta da Atalaia, Seixal, pelas 19:00 horas de sexta-feira e às 18:00 de domingo, no comício de encerramento, visitando ainda a exposição de fotografia de Eduardo Gageiro sobre a "Revolução dos Cravos", na tarde de sábado.

"O tema central é, como não poderia deixar de ser, os 40 anos do 25 de Abril, mas a festa é também uma grande iniciativa de massas que ela própria imprime confiança ao povo português. Do ponto de vista do conteúdo político, no comício de domingo vamos lançar linhas próprias do PCP, anunciar medidas e ações próprias para contribuir para esse desenvolvimento da luta", continuou.

O membro da comissão política e responsável pela secção internacional do PCP salientou ainda as mais de 50 delegações de outras forças políticas estrangeiras que vão estar presentes, com especial destaque para os representantes palestinianos: Frente Popular de Libertação da Palestina, Frente Democrática de Libertação da Palestina, Partido do Povo Palestiniano e Organização de Libertação da Palestina.

"No plano cultural, a oferta é imensa. Temos 10 palcos onde atuarão mais de 100 artistas musicais. Vai passar pela festa muito daquilo que de melhor se faz em Portugal de variados géneros - Buraka Som Sistema, Camané, Jorge Palma, Paulo de Carvalho, a Naifa...", afirmou.

Os três dias de "Festa do Avante!" começam com o tradicional concerto sinfónico, desta feita para cravos e orquestra e dedicado ao 25 de Abril, além dos cabo-verdianos Dany Silva e Maria Alice. Sábado, os cabeças de cartaz são Jorge Palma, acompanhado por Sérgio Godinho, bem como Naifa ou Legendary Tiger Man, entre outros.

A aquecer as hostes para o final dos espetáculos, reservado para os Buraka Som Sistema, estarão Paulo de Carvalho, Camané ou Mind da Gap, estes com Sam the kid e Valete, por exemplo.

Teatro, com a comemoração dos 40 anos da companhia A Barraca, cinema, desporto, apresentação de obras plásticas e literárias, numerosos debates sobre os mais variados temas e, claro, toda a espécie de comes e bebes, um pouco de todo o país, vão entreter os visitantes, cujo número continua a ser desconhecido.

O único dado que os responsáveis do PCP disponibilizam é o das cerca de "8.000 horas de trabalho voluntário de centenas de militantes e amigos da festa", ao longo dos fins de semana antecedentes, desde 28 de junho, para construírem e decorarem o recinto.

Ângelo Alves anunciou ainda que a primeira deslocação do cubano René Gonzalez, depois 14 anos preso nos EUA por espionagem ou conspiração, vai ser ao evento português. Gonzalez foi um dos cinco alegados agentes cubanos que estavam infiltrados em Miami e foram detidos pelas autoridades norte-americanas, permanecendo três deles presos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.