Paulo Rangel satisfeito com pasta de Carlos Moedas

O líder da delegação do PSD ao Parlamento Europeu, Paulo Rangel, afirmou-se hoje muito satisfeito com a atribuição do pelouro da Investigação, Ciência e Inovação ao comissário Carlos Moedas, dado tratar-se de "uma pasta crucial" para o crescimento económico.

Em declarações à Agência Lusa pouco após o anúncio do organograma da futura Comissão Europeia liderada por Jean-Claude Juncker, Rangel considerou que a atribuição da pasta da Investigação ao comissário indicado por Portugal é uma "muito boa notícia para a Europa e para Portugal, pois trata-se de uma pasta que constitui a verdadeira alavanca para o crescimento na Europa".

Apontando que a pasta que coube a Carlos Moeda vai "movimentar um programa financeiro gigantesco", o programa-quadro de investigação e inovação "Horizonte 2020", com um orçamento de cerca de 80 mil milhões de euros para os próximos sete anos, "e um valor estratégico fundamental", Rangel considerou que a atribuição deste pelouro é "muito, muito bom, e um sinal de confiança no país".

O eurodeputado social-democrata, que foi o cabeça-de-lista da "Aliança Portugal" nas últimas eleições europeias, destacou ainda o facto de, "ao contrário das outras pastas, o programa legislativo nesta área estar estabilizado", o que permitirá a Carlos Moedas "trabalhar logo a partir do primeiro dia"."Pode fazer um excelente desempenho", concluiu

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.