Paulo Rangel diz que PSD terá de "considerar" primárias

O eurodeputado social-democrata considerou que as eleições primárias no PS constituíram um "evento inovador" e "um precedente muito relevante que outros partidos vão ter claramente que considerar", designadamente o PSD.

Um dia depois do fim do processo de escolha do candidato do PS a primeiro-ministro através de eleições primárias, abertas a militantes e simpatizantes, que culminou com a vitória de António Costa (e consequente demissão do secretário-geral António José Seguro), o líder da delegação do PSD ao Parlamento Europeu, Paulo Rangel, admitiu que "havia muitas dúvidas e prós e contras" em torno deste modelo, até porque foi organizado muito rapidamente, mas "correu bem".

"Penso que a ideia da abertura dos partidos à sociedade é uma ideia positiva. Se ela se traduz necessariamente em primárias ou não, podemos ter dúvidas. Mas eu acho que esta experiência do PS constitui um precedente muito relevante, que os outros partidos vão ter claramente que considerar (...) como é o caso do PSD, ou seja, partidos com vocação maioritária. Penso que este é um precedente sobre o qual o PSD não deixará de ter de refletir, disso não tenho dúvidas nenhumas", afirmou.

Quanto ao desfecho das eleições primárias - um triunfo de Costa com perto de 70 por cento dos votos -, Paulo Rangel deu "os parabéns" ao vencedor, saudou António José Seguro e cumprimentou o PS, mas disse que agora é preciso "esperar para ver", pois, acrescentou, ainda não conhece as propostas de António Costa para o país.

"Aquilo que eu acho é que se puseram tantas expetativas à volta do dr. António Costa, que agora vamos a ver o que é que ele nos diz. Ontem [domingo] não disse nada. Cumprimentou e agradeceu. É normal, é a primeira noite. Mas agora estamos com grandes expetativas para ver que propostas concretas é que ele tem para fazer ao país", finalizou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.