Paulo Rangel diz que PSD terá de "considerar" primárias

O eurodeputado social-democrata considerou que as eleições primárias no PS constituíram um "evento inovador" e "um precedente muito relevante que outros partidos vão ter claramente que considerar", designadamente o PSD.

Um dia depois do fim do processo de escolha do candidato do PS a primeiro-ministro através de eleições primárias, abertas a militantes e simpatizantes, que culminou com a vitória de António Costa (e consequente demissão do secretário-geral António José Seguro), o líder da delegação do PSD ao Parlamento Europeu, Paulo Rangel, admitiu que "havia muitas dúvidas e prós e contras" em torno deste modelo, até porque foi organizado muito rapidamente, mas "correu bem".

"Penso que a ideia da abertura dos partidos à sociedade é uma ideia positiva. Se ela se traduz necessariamente em primárias ou não, podemos ter dúvidas. Mas eu acho que esta experiência do PS constitui um precedente muito relevante, que os outros partidos vão ter claramente que considerar (...) como é o caso do PSD, ou seja, partidos com vocação maioritária. Penso que este é um precedente sobre o qual o PSD não deixará de ter de refletir, disso não tenho dúvidas nenhumas", afirmou.

Quanto ao desfecho das eleições primárias - um triunfo de Costa com perto de 70 por cento dos votos -, Paulo Rangel deu "os parabéns" ao vencedor, saudou António José Seguro e cumprimentou o PS, mas disse que agora é preciso "esperar para ver", pois, acrescentou, ainda não conhece as propostas de António Costa para o país.

"Aquilo que eu acho é que se puseram tantas expetativas à volta do dr. António Costa, que agora vamos a ver o que é que ele nos diz. Ontem [domingo] não disse nada. Cumprimentou e agradeceu. É normal, é a primeira noite. Mas agora estamos com grandes expetativas para ver que propostas concretas é que ele tem para fazer ao país", finalizou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.