Pasta de Moedas "tem futuro e tem fundos", diz CDS

O eurodeputado centrista Nuno Melo considerou esta quarta-feira que a atribuição da pasta da Investigação, Ciência e Inovação a Carlos Moedas resultou de "uma boa negociação" e destacou que o pelouro vale 80 mil milhões de euros.

"A indicação do engenheiro Carlos Moedas resulta de uma boa negociação, tem futuro e tem fundos. São mais de 80 mil milhões de euros, mais do que o pacote financeiro de ajuda a Portugal", afirmou Nuno Melo, em declarações à Lusa.

Segundo o eurodeputado do CDS-PP, a escolha da pasta da Investigação, Ciência e Inovação "tem futuro" porque caberá a Carlos Moedas decidir sobre "projetos fundamentais no âmbito do horizonte 20/20 que tem vindo a ser apontado pela Comissão Europeia como a maior aposta para relançar a liderança da Europa nos planos científico, económico e social".

"Falamos do financiamento de todo o tipo de atividades, micro, pequenas e médias empresas, em áreas cientificas, de saúde, nas tecnologias de informação, segurança, energia, e em duas áreas muito importantes para Portugal, que têm dotações autónomas, o mar e a herança cultural", acrescentou.

O comissário indicado por Portugal para o futuro executivo comunitário, Carlos Moedas, vai assumir a pasta da Investigação, Ciência e Inovação, anunciou esta quarta-feira, em Bruxelas, o presidente eleito da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O sucessor de Durão Barroso à frente da Comissão Europeia decidiu atribuir a Carlos Moedas, de 44 anos, até agora secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, o pelouro da Investigação, ficando assim o comissário português responsável pelo maior programa-quadro de sempre de investigação e inovação da UE, o Horizonte 2020, com um orçamento para os próximos sete anos no valor de quase 80 mil milhões de euros.

A 'Comissão Juncker' deverá entrar em funções a 1 de novembro, tendo o colégio de comissários que ser aprovado ainda pelo Parlamento Europeu, depois de audições de cada um dos comissários designados, que terão início ainda em setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.