Pasta de Moedas "tem futuro e tem fundos", diz CDS

O eurodeputado centrista Nuno Melo considerou esta quarta-feira que a atribuição da pasta da Investigação, Ciência e Inovação a Carlos Moedas resultou de "uma boa negociação" e destacou que o pelouro vale 80 mil milhões de euros.

"A indicação do engenheiro Carlos Moedas resulta de uma boa negociação, tem futuro e tem fundos. São mais de 80 mil milhões de euros, mais do que o pacote financeiro de ajuda a Portugal", afirmou Nuno Melo, em declarações à Lusa.

Segundo o eurodeputado do CDS-PP, a escolha da pasta da Investigação, Ciência e Inovação "tem futuro" porque caberá a Carlos Moedas decidir sobre "projetos fundamentais no âmbito do horizonte 20/20 que tem vindo a ser apontado pela Comissão Europeia como a maior aposta para relançar a liderança da Europa nos planos científico, económico e social".

"Falamos do financiamento de todo o tipo de atividades, micro, pequenas e médias empresas, em áreas cientificas, de saúde, nas tecnologias de informação, segurança, energia, e em duas áreas muito importantes para Portugal, que têm dotações autónomas, o mar e a herança cultural", acrescentou.

O comissário indicado por Portugal para o futuro executivo comunitário, Carlos Moedas, vai assumir a pasta da Investigação, Ciência e Inovação, anunciou esta quarta-feira, em Bruxelas, o presidente eleito da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O sucessor de Durão Barroso à frente da Comissão Europeia decidiu atribuir a Carlos Moedas, de 44 anos, até agora secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, o pelouro da Investigação, ficando assim o comissário português responsável pelo maior programa-quadro de sempre de investigação e inovação da UE, o Horizonte 2020, com um orçamento para os próximos sete anos no valor de quase 80 mil milhões de euros.

A 'Comissão Juncker' deverá entrar em funções a 1 de novembro, tendo o colégio de comissários que ser aprovado ainda pelo Parlamento Europeu, depois de audições de cada um dos comissários designados, que terão início ainda em setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.