Pasta de Moedas é inédita para Portugal

A pasta da Investigação, Ciência e Inovação, hoje atribuída ao comissário europeu designado Carlos Moedas, constitui um pelouro inédito entre as responsabilidades que couberam a Portugal no executivo comunitário desde a adesão, em 1986, à então Comunidade Económica Europeia.

Portugal, que já teve comissários com pastas tão diversas como Pescas, a Cultura e a Justiça -- os primeiros dois comissários, António Cardoso e Cunha e João de Deus Pinheiro, cumpriram mais de um mandato cada, com pelouros diferentes -, ocupou ao longo dos últimos 10 anos o topo da hierarquia comunitária com a eleição de José Manuel Durão Barroso para a presidência do executivo comunitário em 2004 (e recondução em 2009).

Durão Barroso passa a deter a partir de agora o recorde de longevidade na presidência da Comissão Europeia juntamente com o "histórico" francês Jacques Delors (1985-95).

Lista dos comissários europeus de Portugal:

1986-1993: Cardoso e Cunha, Pescas (1986-88); Pequenas e Médias Empresas, Comércio (1998-93).

1993-1999: João de Deus Pinheiro, Cultura e Audiovisual (1993-96), Relações com África, Caraíbas e Pacífico (1996-99).

1999-2004: António Vitorino, Justiça e Assuntos Internos.

2004-2014: Durão Barroso, Presidente

2014 (mandato até 2019): Carlos Moedas, Investigação, Ciência e Inovação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.