Passos não quer um "catavento de opiniões"

Moção que Pedro Passos Coelho leva ao congresso dá recados a Marcelo e parece apoiar perfil de Rio

Na moção que leva ao 35.º congresso do partido, Passos Coelho lança as próximas eleições presidenciais e traça um perfil daquele que será o candidato apoiado pelo PSD. E, pelas frases, há recados que dão a entender um 'veto' a Marcelo e um 'forcing' para que Rio avance.

Para Passos, o futuro Presidente, se for do PSD, não pode ser um "protagonista catalisador de qualquer conjunto de contrapoderes ou num catavento de opiniões erráticas em função da mera mediatização gerada em torno do fenómeno político". Nem "deve buscar a popularidade fácil". Estará a referir-se a Marcelo Rebelo de Sousa? Fontes do partido dizem que sim.

Então, o que prefere Passos? "O Presidente deve comportar-se mais como um árbitro ou moderador, movendo-se no respeito pelo papel dos partidos mas acima do plano dos partidos." Sendo supra partidário, segundo Passos Coelho, "também não pode colocar-se contra os partidos ou os governos como se fosse apenas mais um protagonista político na disputa política geral". É esta a descrição de Rui Rio. Há quem também diga que sim.

Leia mais pormenores na edição impressa e no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos