Passos diz que o País "está melhor" do que em 2011

Reafirmar a matriz social-democrata da ação governativa e do PSD foi a principal preocupação de Pedro Passos Coelho nos discurso com que abriu os trabalhos do XXXV congresso nacional do partido, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

LEIA O MINUTO A MINUTO DO DISCURSO

22:39 - O líder do PSD termina o discurso de abertura do XXXV congresso nacional do partido com um sonoro "Viva Portugal!"

22:36 - Passos Coelho diz que comemorações dos 40 anos do PSD, este ano, serão dirigidas pelo militante número um do partido, Pinto Balsemão.

22:33 - "É mais importante prosseguir este caminho do que iniciar um debate constitucional. Não iremos perder tempo com esse debate."

22:28 - Passos recorda agora como PSD, com o CDS, foi decisivo para mudar a Constituição em 1982, permitindo que a democracia deixasse de ser "tutelada pelos militares." Elogia Rui Machete pelo seu papel na altura e pelo papel anterior, na Constituinte.

22:26 - "Nós sabemos que houve muitos militares e muita gente do PS que foi decisiva para que a democracia vingasse. E quero aqui falar de Mário Soares e Salgado Zenha."

22:20: "Não há nada mais social-democrata do que corrigir as injustiças." [...] "85% dos pensionistas não foram atingidos pelos cortes nas pensões. Isto é social-democrata, ou não?"

22:16 - "O encaixe do Estado com o IRS deixa de fora uma parte muito significativa dos cidadãos"

22:14: "Não temos feito outra coisa senão andar a pagar dívidas", disse Passos - e referiu as do setor da Saúde e as da Madeira.

22:12 - "A resposta curta é: com o PS [a retoma] não é sustentável. Não, não é."

22:09 - Passos diz que Portugal sairá do memorando "dentro do prazo e respeitando as metas definidas" e que nessa altura o Governo o irá "assinalar."

22:07 - "Respeito profundamente as diferenças de opinião. Nunca ninguém me ouvirá a pretender silenciar seja quem for. Mas ninguém se espantará que debata com eles como debato com os portugueses (...)Também estou aqui para ouvir as vossas críticas."

22:05 - "Hoje a oposição está zangada (...) porque acha que se recuperarmos isso pode ser a sua desgraça."

22:04 - "Há pelos menos 130 mil portugueses que sabem que estão melhor", diz Passos, referindo-se à diminuição do desemprego.

22:02 - "Julgo que ninguém tem dúvidas nenhumas de que estamos melhor. Mas pagamos um preço. Estamos pior no desemprego. Mas paulatinamente o desemprego tem vindo a decrescer..."

22:01 - "Estamos com um ano de reserva para nos financiarmos. Na altura [Abril de 2011] não tínhamos para dois meses."

21:56 - O défice estrutural "deverá ter sido em 2013 - ainda não temos os números finais - inferior a 3%".

21:55 - "Estamos melhor ou pior?", pergunta o líder do PSD

21:54 - "A partir do segundo trimestre de 2013 a economia começou a crescer. Em três dos quatros trimestres do ano passado a economia cresceu."

21:52 - "Eu creio que foi isso que fizemos - lançar as bases da prosperidade futura."

21:49 - "Ainda há muitas pessoas zangadas e é natural que nos associem a este período difícil. Mas a verdade é que não fomos nós que trouxemos Portugal para o caminho da banca rota."

21:48 - O líder do PSD expressa "gratidão" às "bases" por ter estado sempre "na linha da frente" da defesa das políticas do Governo.

21:44 - "O PSD não é hoje menos social-democrata do que quando nasceu, em 1974", garante Passos Coelho.

21:43 - Passos Coelho abre o congresso "prestando contas" da governação, fazendo um "rápido balanço" desde o último conclave 'laranja', há 2 anos.

21:37 - "Quem são estes senhores todos?" Miguel Pinto Luz, presidente da distrital de Lisboa do PSD, abre os trabalhos ao ataque, contra os militantes críticos do PSD (Manuela Ferreira Leite, Pacheco Pereira, Marques Mendes, etc). "O PSD está aqui."

21:34 - Os congressistas assistem agora a um filme com a história do partido.

21:26 - Passos Coelho já chegou ao palco do Coliseu dos Recreios. Dentro de minutos iniciará o discurso de apresentação da sua moção ao XXXV congresso nacional do PSD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.