Passos anuncia equipa multidisciplinar para plano de natalidade

O presidente do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje que convidou Joaquim Azevedo, da Universidade Católica Portuguesa, para chefiar uma equipa multidisciplinar que, em três meses, prepare um plano de ação na área da natalidade.

"Convidei o sr. professor Joaquim Azevedo da Universidade Católica Portuguesa para chefiar uma equipa multidisciplinar que, nos próximos três meses, nos deva habilitar a poder, com os outros partidos, com os parceiros sociais, formar um programa de ação que sirva para a nossa discussão na União Europeia e em Portugal", afirmou Passos Coelho, no encerramento do XXXV Congresso do PSD, em Lisboa.

O líder social-democrata referiu que o Governo irá "a seu tempo" tomar "uma iniciativa clara" na área da natalidade, mas sublinhou ser importante que os partidos assumam também as suas responsabilidades.

"Hoje, como presidente do partido, quero aqui dizer que, tal como decorre da minha moção de estratégia, nós iremos dedicar ao tema da natalidade uma importância crucial", garantiu.

Joaquim Azevedo é professor catedrático da Universidade Católica Portuguesa e presidente do Centro Regional do Porto daquela instituição.

Passos Coelho disse que o declínio da natalidade em Portugal e na Europa é "um tema crítico" e que coloca em causa a sustentabilidade do Estado social.

"Esta é uma tarefa que a todos convoca", apelou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.