Optimus multada em 4,5 milhões de euros

(Atualizada às 19.45) A operadora foi multada em 4,5 milhões de euros por não ter protegido os registos telefónicos do jornalista Nuno Simas que acabaram por ser entregues aos serviços secretos por uma funcionária da empresa que já foi despedida por "espionagem", segundo garante fonte da Optimus.

Segundo o Expresso, a Comissão Nacional de Protecção de Dados(CNPD) aplicou uma multa de 4,5 milhões de euros à empresa de telecomunicações móveis por ter permitido "o acesso ilegal aos registos telefónicos de um jornalista [Nuno Simas] por uma funcionária da Optimus, a pedido dos serviços secretos".

É a maior coima aplicada até hoje pela CNPD. A funcionária da Optimus que acedeu aos dados era mulher de um operacional do SIS. A Optimus vai recorrer desta decisão para os tribunais.

A Comissão Nacional de Protecção de Dados, segundo o Expresso, garante que a Optimus "não observou as condições de tratamento e armazenamento de dados de tráfego" - a coima é de 1,5 milhão de euros- , "não observou o prazo de conservação fixado para esses dados" - coima prevista de 1,5 milhão de euros-, "e não conciliou os direitos dos assinantes com a privacidade dos utilizadores" - coima de 1,5 milhões de euros- "e não tinha as medidas adequadas para o controlo dos suportes dos dados" -coima de três mil euros.

A Optimus já reagiu à decisão da CNPD, considerando-a "totalmente infundada e despropositada", prometendo "impugná-la em todas as instâncias que tiver ao seu dispor".

"É lamentável que um caso que surge de uma ação de espionagem, à qual a Optimus é totalmente alheia, e a qual a Optimus ajudou a resolver descobrindo o prevaricador, tenha como consequência uma gravíssima acusação à sua integridade e bom nome", indicou a operadora em comunicado.

Ler mais

Exclusivos