Operação Vistos Gold detém dois altos funcionários próximos do ministro Miguel Macedo

O ministro da Administração Interna não foi alvo direto das buscas, mas os inspetores da PJ terão procurado documentos que estavam a despacho no seu gabinete.

O processo de nomeação de um oficial de ligação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) para a China, que estaria para despacho no gabinete do ministro da Administração Interna, terá sido o alvo das buscas da Polícia Judiciária (PJ), ontem de manhã, no ministério liderado por Miguel Macedo. Esta busca foi a única, das 60 que decorreram em todo país no âmbito da investigação à concessão dos vistos dourados, dirigida pela própria procuradora titular do processo, Susana Figueiredo, do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Cerca de 150 inspetores da PJ, principalmente da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC), realizaram buscas em escritórios e residências pessoais de norte a sul do país e detiveram 11 pessoas, entre as quais altos quadros do Estado. Entre os detidos estão, na tutela do Ministério da Administração Interna (MAI), o diretor do SEF, Manuel Palos, e na alçada do ministério da Justiça, o presidente do Instituto de Registos e Notariado (IRN), António Figueiredo e a secretária-geral do ministério, Maria Antónia Anes, quadro superior da PJ.

Os outros detidos serão quadros intermédios do SEF e do IRN, que facilitariam os processos de vistos, e intermediários chineses. Todos foram levados para interrogatório dos juízes Carlos Alexandre e João Bártolo, no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa. Ao que o DN apurou terão sido confrontados com escutas e vigilâncias que os envolviam nos crimes por que estão indiciados.

Miguel Macedo não terá sido alvo direto das buscas no MAI mas, o cerco acabou por se apertar junto ao ministro, não só com detenção de um diretor sob a sua tutela e de um amigo pessoal (o diretor do IRN), mas também por causa da constituição como arguida de Albertina Gonçalves, sua sócia no escritório de advogados. A advogada, que ocupa atualmente um alto cargo no Estado, como secretária-geral do ministério do Ambiente e Ordenamento do Território, foi igualmente alvo de buscas dos inspetores da Judiciária.O processo de nomeação de um oficial de ligação para Pequim.

Leia mais na edição impressa ou no E-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.