"O que nos interessa não é o emprego imediato"

Governo coloca ministro da Educação a defender "funções sociais do Estado". Que sobre emprego diz que o "que interessa é como preparar os jovens para ter emprego no futuro"

Na interpelação do Partido Ecologista "Os Verdes" ao Governo sobre "funções sociais do Estado" coube ao ministro da Educação a intervenção inicial, em que Nuno Crato fez "a defesa da escola", sublinhou que esta "é uma função social do Estado mas não é um exclusivo do Estado".

Foi já no período de perguntas que, interpelado pelo deputado socialista, Nuno Sá, sobre os números do desemprego, que o ministro da Educação afirmou que "o que nos interessa em relação ao emprego não é o emprego imediato, não é o emprego artificial e não é o emprego não sustentável". E acrescentou: "O que interessa é como preparar os jovens para ter emprego no futuro."

Perante uma plateia de alunos nas galerias da Assembleia da República, o Governo está representado pelos ministros Nuno Crato (Educação), Assunção Cristas (Agricultura), Miguel Relvas (Adjunto e dos Assuntos Parlamentares) e os secretários de Estado Marco António Costa (Segurança Social) e Teresa Morais (Assuntos Parlamentares).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".