"O que nos interessa não é o emprego imediato"

Governo coloca ministro da Educação a defender "funções sociais do Estado". Que sobre emprego diz que o "que interessa é como preparar os jovens para ter emprego no futuro"

Na interpelação do Partido Ecologista "Os Verdes" ao Governo sobre "funções sociais do Estado" coube ao ministro da Educação a intervenção inicial, em que Nuno Crato fez "a defesa da escola", sublinhou que esta "é uma função social do Estado mas não é um exclusivo do Estado".

Foi já no período de perguntas que, interpelado pelo deputado socialista, Nuno Sá, sobre os números do desemprego, que o ministro da Educação afirmou que "o que nos interessa em relação ao emprego não é o emprego imediato, não é o emprego artificial e não é o emprego não sustentável". E acrescentou: "O que interessa é como preparar os jovens para ter emprego no futuro."

Perante uma plateia de alunos nas galerias da Assembleia da República, o Governo está representado pelos ministros Nuno Crato (Educação), Assunção Cristas (Agricultura), Miguel Relvas (Adjunto e dos Assuntos Parlamentares) e os secretários de Estado Marco António Costa (Segurança Social) e Teresa Morais (Assuntos Parlamentares).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.