Nunca me engano de pátria

O diplomata Francisco Seixas da Costa faz parte de um vasto painel de oradores e moderadores que a 13 e 14 de setembro debaterá, numa conferência organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, o tema: "Portugal europeu - e agora?". Hoje responde à pergunta "Quando se sente europeu?"

Sou um europeu pela razão. Até à idade adulta, olhei a Europa de fora. Vivia num país que tinha por opção o isolamento, tido como virtude patriótica. Dizia um jornal do regime: "Portugal não é um país europeu e tende cada vez mais a sê-lo cada vez menos." A Europa era o lugar onde estava a liberdade. Desconfiei da Europa "unida", apresentada num registo demasiado maniqueu, que não ia de par com o meu radicalismo de então. Depois, também pela razão, acabei por tomá-la como sinónimo da democracia em que quero viver. Hoje, sendo europeu, prefiro dizer quando me não sinto como tal: quando olho a triste realpolitik externa de Bruxelas, o silêncio cobarde face às manifestações de intolerância cívica de dirigentes europeus, o cínico abandono da solidariedade, agora que as vantagens do mercado único já estão adquiridas para alguns. Sou europeu porque os interesses de quem por aqui nasce se sentem mais bem protegidos nesta Europa. Mas nunca me engano de pátria, mesmo sabendo que é politicamente incorreto dizê-lo.

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Política
Pub
Pub