"Não há negociação de segundo resgate", garante Passos

O primeiro-ministro assegurou no Parlamento que se o País cumprir as metas estabelecidas no programa de assistência financeira não vai pedir novamente ajuda, embora deixe em aberto o recurso a "um programa cautelar ou outra coisa que garanta o acesso pleno aos mercados".

Pedro Passos Coelho garantiu esta quarta-feira na Assembleia da República que o Governo não tem negociado, nem tem estado a preparar um novo programa. Na resposta ao secretário-geral do PS, António José Seguro, o primeiro-ministro defendeu que há da parte dos socialistas uma tentativa de "assustar" os portugueses ao "confundirem deliberadamente" um "segundo resgate" e um "programa cautelar".

"A tentação do PS e do seu líder de procurarem confundir os portugueses entre uma eventualidade [programa cautelar] - que nem é certa - e que Portugal possa precisar de um segundo programa é lamentável", atirou no debate quinzenal, acusando Seguro de "demagogia", "populismo" e recurso a "clichés".

O líder socialista, por sua vez, lembrou as palavras do ministro da Economia, Pires de Lima, que afirmara em Londres que o objetivo do Executivo passa por "começar a negociar um programa cautelar nos primeiros meses de 2014", para questionar Passos Coelho sobre o regresso aos mercados, vincando que "só há uma [de quatro formas] que dispensa condicionalidades (...), chame-lhe o primeiro-ministro resgate, programa cautelar ou o que quiser".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.