"Não estou nem de longe de volta à vida política"

O antigo líder do PSD Marques Mendes, agora comentador televisivo, garante que "não ando à procura de nenhum voto" e recusa ser politicamente correto.

No final de um jantar de apoio aos candidatos autárquicos laranjas no concelho de Lagoa, no Algarve, foi peremptório ao afirmar que "os políticos nunca perdem; quem perde são as pessoas".

Numa altura em que não tem poupado críticas a Passos Coelho e ao Governo nos seus habituais comentários televisivos na SIC, o antigo ministro e ex-líder do PSD Marques Mendes garantiu, nesta sexta-feira, no final de um jantar de apoio aos candidatos autárquicos do partido no concelho de Lagoa, realizado numa unidade hoteleira da localidade do Carvoeiro, que não está "nem de longe nem de perto de regresso à vida política".

"Abandonei a vida política ativa e quero descansá-los: a minha presença aqui e agora não é nenhum sinal de regresso. Eu não estou nem de longe nem de perto de regresso à vida política. Quero que saibam que abandonei a vida política ativa, mas não abandonei, nem abandono nunca, o apoio e sobretudo a solidariedade aos meus companheiros de partido", afirmou Marques Mendes, dirigindo-se aos presentes no encontro, entre aplausos na sala.

Depois de sublinhar que "estas eleições autárquicas não são para o PSD um passeio, por razões que evidentemente todos sabem e todos conhecem", Marques Mendes referiu ter decidido "abrir algumas exceções para emprestar a minha palavra, o meu testemunho, o meu apoio nesta campanha eleitoral junto de candidatos que prezo e admiro". "Não sou politicamente correto. Quando entendo apoiar, apoio, quando entendo criticar, critico, goste-se ou não se goste. Não ando à procura de nenhum voto, nem ando à procura de nenhum apoio. Digo apenas aquilo que penso e aqui que sinto. Sou muito genuíno, sou muito autêntico, tento ser construtivo e pedagógico", frisou o antigo presidente do PSD.

Depois de enaltecer a figura e o trabalho do atual presidente da Câmara Municipal de Lagoa, o social-democrata José Inácio Marques, que se recandidata ao seu terceiro mandato, Marques Mendes recordou o conhecido «slogan» em futebol, segundo o qual "em equipa que ganha não se mexe". "Em tempo de crise, não se brinca, em tempo de emergência nacional convém não trocar o certo pelo incerto, não se troca aquilo que é seguro por aquilo que pode ser duvidoso. Nas eleições autárquicas muito mais do que a imagem do partido, o que conta é a qualidade das pessoas", alertou o comentador, acrescentando que "a política só faz sentido com seriedade, com honestidade, com transparência e com serviço de interesse aos outros".

Já perto do final da sua intervenção, Marques Mendes fez notar que "os políticos nunca perdem, eles estão sempre num lugar ou noutro; quem perde são as pessoas".

Exclusivos