Mota Amaral diz que "Portugal está assustado"

O antigo presidente do PSD/Açores, Mota Amaral, afirmou hoje, que "Portugal está assustado", defendendo que há alertas que é preciso deixar no momento certo sem prejuízo da solidariedade com o partido a nível nacional.

"Neste momento Portugal está assustado e é por isso que é preciso também que os social-democratas dos Açores, mantendo a sua identidade que sempre foi uma marca respeitada nas fileiras do PSD, também ergam a voz", afirmou Mota Amaral, na sua primeira intervenção no XX Congresso dos social-democratas açorianos, que decorre até domingo.

Para Mota Amaral, há "alertas" que "é preciso deixar no momento certo e na hora certa", alegando que existem "outros caminhos que é preciso apontar" para que "não nos fixemos numa espécie de corrida louca para o abismo".

"Sabemos a origem dos males que o nosso país enferma, que resultam destes 15 anos de desgoverno do PS que tem a sua origem no Guterrismo", apontou o deputado, para quem o PSD deve "encaminhar o pais para a solução dos problemas", mas "sem desresponsabilizar os socialistas" que "negociaram o famoso acordo da 'troika' (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central)", pelo que, disse, "é preciso amarrá-los ali".

Elogiando o discurso da sessão de abertura do líder do PSD/Açores, o antigo presidente do partido nos Açores alertou para a necessidade do partido na região "manter sempre o dinamismo e uma fortíssima afirmação açorina", frisando que "é ai que está a força do nosso partido e é ai que se deve apostar".

"Não temos maioria na Assembleia Regional. Mas temos a posição importantíssima de sermos o maior partido da oposição e também é preciso manter esta intimidade e proximidade com os açorianos e transmitir as suas aspirações", frisou.

Mota Amaral acrescentou ainda que é preciso apostar "nesta fortíssima afirmação açoriana" que "é onde está a raiz do PSD" para "levar de novo o partido à vitória".

Ler mais

Exclusivos