Moedas vai trabalhar de perto com PM eslovena

O comissário europeu designado por Portugal, Carlos Moedas, que viu esta quarta-feira ser-lhe atribuída a pasta da Investigação, Ciência e Inovação, irá trabalhar em estreita colaboração com a vice-presidente para a União Energética, a ainda primeira-ministra eslovena, Alenka Bratusek.

Bratusek é, curiosamente, uma das comissárias designadas que poderá sentir particulares dificuldades para ver o seu nome aprovado pelo Parlamento Europeu, face à controvérsia em torno do processo da sua designação: a primeira-ministra cessante é muito criticada na Eslovénia pela forma como se designou a si própria, sem apoio de qualquer partido, sendo por isso a sua audição perante o Parlamento Europeu aguardada com expetativa.

De acordo com o complexo organograma da "Comissão Juncker", que está a ser anunciado hoje de manhã em Bruxelas, o futuro executivo comunitário apresenta como grande novidade, em comparação com os executivos liderados por José Manuel Durão Barroso ao longo dos últimos 10 anos, sete vice-presidências, com coordenações de áreas específicas.

A vice-presidente Bratusek, apontou Juncker, irá dirigir e coordenar em particular o trabalho dos comissários para a Investigação, Ciência e Inovação (Carlos Moedas), para a Ação Climática e Energia, para os Transportes e Espaço, para o Mercado Interno, Indústria, Empreendedorismo e PME, para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, e, por fim, para a Agricultura e Desenvolvimento Regional.

Carlos Moedas, 44 anos, terá a seu cargo, ao longo dos próximos cinco anos, uma pasta diretamente relacionada com aquele que é o maior programa orçamental gerido pela Comissão, o "Horizonte 2020".

Concebido para os próximos sete anos (2014-2020), o "Horizonte 2020", o maior programa público de apoio à investigação e à inovação do mundo, está dotado com um orçamento de praticamente 80 mil milhões de euros, o equivalente a 8% do orçamento comunitário, e é considerado um instrumento fundamental para um novo ciclo de recuperação económica e a criação de emprego na Europa.

Moedas vai gerir duas das maiores direções-gerais da Comissão Europeia, a Direção-geral da Investigação e Inovação e o "Joint Research Centre", com cerca de 3.000 funcionários.

A "Comissão Juncker" deverá entrar em funções a 01 de novembro próximo, depois do voto do Parlamento Europeu, que irá conduzir, já em setembro, audições a cada um dos comissários designados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.