Moedas vai trabalhar de perto com PM eslovena

O comissário europeu designado por Portugal, Carlos Moedas, que viu esta quarta-feira ser-lhe atribuída a pasta da Investigação, Ciência e Inovação, irá trabalhar em estreita colaboração com a vice-presidente para a União Energética, a ainda primeira-ministra eslovena, Alenka Bratusek.

Bratusek é, curiosamente, uma das comissárias designadas que poderá sentir particulares dificuldades para ver o seu nome aprovado pelo Parlamento Europeu, face à controvérsia em torno do processo da sua designação: a primeira-ministra cessante é muito criticada na Eslovénia pela forma como se designou a si própria, sem apoio de qualquer partido, sendo por isso a sua audição perante o Parlamento Europeu aguardada com expetativa.

De acordo com o complexo organograma da "Comissão Juncker", que está a ser anunciado hoje de manhã em Bruxelas, o futuro executivo comunitário apresenta como grande novidade, em comparação com os executivos liderados por José Manuel Durão Barroso ao longo dos últimos 10 anos, sete vice-presidências, com coordenações de áreas específicas.

A vice-presidente Bratusek, apontou Juncker, irá dirigir e coordenar em particular o trabalho dos comissários para a Investigação, Ciência e Inovação (Carlos Moedas), para a Ação Climática e Energia, para os Transportes e Espaço, para o Mercado Interno, Indústria, Empreendedorismo e PME, para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, e, por fim, para a Agricultura e Desenvolvimento Regional.

Carlos Moedas, 44 anos, terá a seu cargo, ao longo dos próximos cinco anos, uma pasta diretamente relacionada com aquele que é o maior programa orçamental gerido pela Comissão, o "Horizonte 2020".

Concebido para os próximos sete anos (2014-2020), o "Horizonte 2020", o maior programa público de apoio à investigação e à inovação do mundo, está dotado com um orçamento de praticamente 80 mil milhões de euros, o equivalente a 8% do orçamento comunitário, e é considerado um instrumento fundamental para um novo ciclo de recuperação económica e a criação de emprego na Europa.

Moedas vai gerir duas das maiores direções-gerais da Comissão Europeia, a Direção-geral da Investigação e Inovação e o "Joint Research Centre", com cerca de 3.000 funcionários.

A "Comissão Juncker" deverá entrar em funções a 01 de novembro próximo, depois do voto do Parlamento Europeu, que irá conduzir, já em setembro, audições a cada um dos comissários designados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.