Ministro 'indignado' com dossier sobre cuidados continuados

"Foi um dos cenários mais desastrosos que encontrei no ministério". Foi assim que Paulo Macedo, ministro da Saúde reagiu a às perguntas colocadas pelo PS sobre a manutenção da rede de cuidados continuados e de quantas camas vão estar disponíveis no próximo ano.

A questão foi colocada esta tarde pela deputada socialista Luísa Salgueiro, na Assembleia da República, onde Paulo Macedo responde sobre as políticas da saúde.

"Existem 5595 camas disponíveis na rede. Estão prontas para entrar em funcionamento mais 1000 e outras 2000 em construção. Com o Ministério a que não há verbas, nem acordos de cooperação com as que estão construídas", apontou Luísa Salgueiro.

Paulo Macedo foi directo na resposta e apontou baterias à gestão socialista. "Políticas sem recursos para elas é um hábito que espero não vir a ter. Estão 20 estabelecimentos para abrir e não sabem qual o orçamento anual. É inacreditável. Este é um dos cenários mais desastrosos que encontrei neste ministério. Como a resposta dada pela responsável da rede de cuidados continuados que lhe disseram que orçamento não era problema, o que interessava é que abrissem o máximo possível", afirmou Paulo Macedo.

O ministro da Saúde disse ainda que não existem verbas para pagar contratos com as entidades que fazem parte da rede, nomeadamente as Misericórdias, porque o Ministério herdou uma divida superior a três mil milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.