Ministro 'indignado' com dossier sobre cuidados continuados

"Foi um dos cenários mais desastrosos que encontrei no ministério". Foi assim que Paulo Macedo, ministro da Saúde reagiu a às perguntas colocadas pelo PS sobre a manutenção da rede de cuidados continuados e de quantas camas vão estar disponíveis no próximo ano.

A questão foi colocada esta tarde pela deputada socialista Luísa Salgueiro, na Assembleia da República, onde Paulo Macedo responde sobre as políticas da saúde.

"Existem 5595 camas disponíveis na rede. Estão prontas para entrar em funcionamento mais 1000 e outras 2000 em construção. Com o Ministério a que não há verbas, nem acordos de cooperação com as que estão construídas", apontou Luísa Salgueiro.

Paulo Macedo foi directo na resposta e apontou baterias à gestão socialista. "Políticas sem recursos para elas é um hábito que espero não vir a ter. Estão 20 estabelecimentos para abrir e não sabem qual o orçamento anual. É inacreditável. Este é um dos cenários mais desastrosos que encontrei neste ministério. Como a resposta dada pela responsável da rede de cuidados continuados que lhe disseram que orçamento não era problema, o que interessava é que abrissem o máximo possível", afirmou Paulo Macedo.

O ministro da Saúde disse ainda que não existem verbas para pagar contratos com as entidades que fazem parte da rede, nomeadamente as Misericórdias, porque o Ministério herdou uma divida superior a três mil milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.