Ministro da Defesa representa Passos nas comemorações

O ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, vai representar o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, na cerimónia solene de comemoração do 102.º aniversário da Implantação da República, na sexta-feira, disse à agência Lusa fonte oficial.

Pedro Passos Coelho vai estar ausente da comemoração oficial do 05 de Outubro, no Pátio da Galé, em Lisboa, por se encontrar em Bratislava, capital da Eslováquia, a participar num encontro do grupo "Amigos da Coesão".

O grupo "Amigos da Coesão", que se vai reunir na sexta-feira, em Bratislava, é constituído pela Bulgária, República Checa, Estónia, Grécia, Espanha, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, Roménia, Eslovénia, Eslováquia, Espanha e Portugal.

Este grupo foi constituído na sequência de uma iniciativa da Polónia que, em 2010, lançou uma série de encontros com vista a concertar posições para a negociação do Quadro Financeiro Plurianual da União Europeia 2014-2020.

Já na sexta-feira à tarde e no sábado, o chefe do Governo português vai estar em Malta, para participar numa cimeira da "Iniciativa 5+5", que reúne do lado europeu Portugal, Espanha, França, Itália e Malta e, do lado africano, Mauritânia, Marrocos, Argélia, Tunísia e Líbia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.