Ministra da Agricultura ordena inspecção ao Fundo Florestal Permanente

A ministra da Agricultura disse hoje no Parlamento que determinou uma inspeção sobre o Fundo Florestal Permanente (FEP) para averiguar como foi usado o dinheiro.

No debate na especialidade do Orçamento de Estado 2012, Assunção Cristas confirmou que o FFP dispunha apenas de 20 milhões de euros, mas os compromissos assumidos ultrapassaram os 40 milhões, tendo o Fundo sido usado para os mais diversos fins.

Assunção Cristas sublinhou varias vezes aos deputados o esforço que está a fazer para pôr a casa em ordem, quer a nível do pagamento de dívidas "herdadas" do Governo anterior, muitas delas devido a suborçamentação, quer de multas aplicadas pela Comissão Europeia.

"O nosso objectivo é nao pagar nem mais uma multa", frisou, a propósito da revisão do parcelário, que esta em fase de conclusão, depois de ter estado parada sete anos.

A ministra afirmou que vão ser pagas dívidas às organizações de produtores, da incineração de cadáveres e, a mais longo prazo, 65 milhões de euros relativos aos seguros de colheitas.

Mas a oposição lembrou também que o discurso de Assunção Cristas como ministra não é igual ao que teve enquanto deputada do CDS-PP.

O deputado comunista Agostinho Lopes desvalorizou as "grandes vitórias" que têm sido a bandeira de Assunção Cristas - a manutenção da taxa intermédia do IVA no vinho e a obtenção de 50 milhões de euros para o PRODER - e lembrou que o PSD e o CDS traçavam um quadro muito negro da agricultura portuguesa que parece ter-se tornado num "quadro róseo".

A responsável da pasta da Agricultura respondeu que as criticas revelam "injustiça" e reafirmou o empenho no investimento no sector para que o quadro se torne mais "colorido".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.