Ministra ainda tem "fé" que chova em breve

A ministra da Agricultura diz que tem "fé" que chova nas próximas semanas e assim diminuam os efeitos da seca, acrescentando que, porém, o Governo já está a fazer "um levantamento" do impacto do problema para acionar ajuda europeia.

"Sem termos um levantamento detalhado e objetivo das várias situações que estão a ser vividas, não conseguimos acionar mecanismos europeus nessa matéria", disse hoje Assunção Cristas na comissão parlamentar de Agricultura, em resposta a questões dos deputados, que quiseram saber o que está a fazer o Governo em relação ao impacto da falta de chuva no setor agrícola.

"Devo dizer que sou uma pessoa de fé, esperarei sempre que chova e esperarei sempre que a chuva nos minimize alguns destes danos. Como é evidente, quanto mais depressa vier, mais minimiza, quanto mais tarde, menos minimiza. Se não vier de todo, não perderei a minha fé mas teremos obviamente de atuar em conformidade", acrescentou a ministra do Ambiente, do Mar, da Agricultura e do Ordenamento do Território.

Assunção Cristas repetiu várias vezes que o Governo já criou há várias semanas uma "task force", que integra diversos organismos oficiais, que estão por sua vez em contacto com as associações do setor, para "monitorizar", "sinalizar" e "fazer a previsibilidade dos prejuízos" relacionados com os efeitos da seca na Agricultura, recusando a ideia de que não considerar este problema grave, como afirmaram os deputados socialistas.

"Esta 'task force' foi constituída muito antes de toda a gente falar da seca", sublinhou.

Sobre um pedido de ajuda europeia, Assunção Cristas afirmou que "só com mais informação" se poderá acionar qualquer mecanismo, mas garantiu que o Governo fará os levantamentos necessários "rapidamente".

A ministra garantiu que levará o assunto ao próximo conselho europeu de Agricultura.

"Mas só mais para a frente, e no decurso da evolução da situação, poderemos formalizar esse pedido", acrescentou.

Assunção Cristas disse que o grupo de trabalho que criou "já sinalizou algumas situações" e o que o setor que está "a sofrer mais" com a seca é a produção animal, onde há já casos de falta de pastagens, pelo que os animais estão a ser alimentados à mão, com fenos e palhas que estavam reservadas para o verão.

Há ainda culturas de inverno que serão seriamente afetadas se não chover nas próximas semanas e outras que ficarão "mais vulneráveis a pragas", existindo "já um plano de prevenção" em relação a este último problema.

A ministra da Agricultura referiu ainda que o objetivo é este grupo de trabalho produzir relatórios de acompanhamento da situação a cada quinze dias, os quais poderão porém tornar-se semanais se as condições se agravarem.

Além de acionar mecanismos europeus de ajuda, o Governo está ainda a estudar criar "medidas administrativas, como a flexibilização de algumas exigências" relacionadas com a produção animal, afirmou.

Cristas defendeu ainda que é preciso deixar de olhar para o problema da seca de "forma episódica", acrescentando que os dados parecem revelar uma tendência para fenómenos de seca a cada cinco anos em Portugal.

Nesse sentido, acrescentou, o ministério que tutela pondera criar sistemas permanentes de estudo, monitorização e antecipação deste problema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.