"Militares cumpriram o seu dever no 25 de Abril"

O general Loureiro dos Santos recusou comparar os tempos que levaram à Revolução de 1974 e os que se vivem atualmente. "Os cidadãos que cumpram o seu dever", defendeu.

No painel de abertura do segundo dia da Conferência "A Ditadura Portuguesa, porque durou, porque acabou", que decorre em Lisboa, o general Loureiro dos Santos afastou a comparação com os últimos tempos do Estado Novo e os dias de hoje, que levaram à intervenção dos militares em 1974.

O antigo chefe do Estado-Maior do Exército notou que "as condições que tinham os jovens que fizeram o 25 de Abril são completamente diferentes das condições que vivem os atuais jovens". "Agora, todos nós podemos votar", sintetizou, "mudar os governantes". Em 1974, quando os militares se revoltaram, não era assim. Para logo depois deixar o alerta de que não se pode voltar "à I República em que havia golpes todos os 15 dias".

Sobre a crise atual, Loureiro dos Santos preferiu responsabilizar todos. "A culpa do que se passa no país é culpa de todos", afirmou, para deixar um derradeiro apelo. "Os cidadãos que cumpram o seu dever, os militares cumpriram o seu dever no 25 de Abril."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.