Menos 40% de gastos na campanha autárquica

O Conselho Nacional do PSD recomendou este sábado que os candidatos às eleições autárquicas cortem pelo menos 40% nas despesas de campanha.

A medida visa refletir o "esforço acrescido de contenção de despesas que se impõe na conjuntura atual", observou aquele órgão do PSD em comunicado.

A recomendação foi distribuída depois de o Conselho Nacional ter aprovado os nomes de todos os candidatos autárquicos do PSD, faltando aprovar apenas quatro nomes que já identificados, informou o vice-presidente Jorge Moreira da Silva.

A lista inclui os nomes de figuras como Fernando Seara e Luís Filipe Menezes, em torno dos quais há dúvidas na aplicação da lei de limitação dos mandatos.

Jorge Moreira da Silva sublinhou aos jornalistas que o facto de o PSD ser o primeiro partido a concluir o processo de candidaturas às autárquicas e mais cedo que o habitual traduz "o interesse e o empenho" do partido nessas eleições.

"O PSD quer vencer [as autárquicas] porque existem objetivos estratégicos" de reforma do Estado que "passam em grande parte pelo poder local", afirmou Moreira da Silva.

O responsável pelo processo autárquico dentro do PSD reafirmou que a lei de limitação de mandatos "é clara", pelo que o partido "não tem um plano B" para um cenário adverso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".