Marques Júnior "faz mais falta do que nunca"

Coronel e presidente da Assembleia da República estiveram lado a lado na homenagem ao capitão de Abril e deputado, que decorreu no Parlamento.

Assunção Esteves e Vasco Lourenço lado a lado e em sintonia na homenagem a António Marques Júnior. Ainda com polémica em torno das comemorações do 25 de Abril fresca, a presidente da Assembleia da República e o coronel estiveram juntos esta terça-feira na homenagem ao capitão de Abril e deputado, recordando o seu percurso e desdobrando-se em palavras elogiosas.

"Teve sempre uma presença virtuosa e obstinada que, de certo modo, podemos dizer que o afirma contra a morte. Marques Júnior teve junto de nós uma experiência continuada nos caminhos da democracia", assinalou Assunção Esteves, que destacou ainda, perante largas dezenas de pessoas que estiveram na biblioteca do Parlamento, que o ex- deputado "nunca fez tanta falta" como agora.

Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril, falava em nome dos capitães que conduziram a Revolução e recordou um dos seus "maiores amigos", mas sublinhou que Marques Júnior foi "muito maltratado em vida" e "não foi aproveitado como devia ser". "Depois de morto já não faz sombra e pode ter a devida homenagem", reforçou o coronel, que, no final da sessão evocativa, salientou que o evento "encheu o ego" dos capitães de Abril e ainda disse que o País de hoje pouco tem a ver com o espírito que norteou a Revolução de 1974.

O ex-Presidente da República, Ramalho Eanes, lembrou um homem de "bom senso", qualidade que diz ser invulgar nos tempos que correm, enquanto o deputado do PS, José Magalhães, responsável por uma das partes do livro sobre a vida e obra do antigo membro do Conselho da Revolução que foi distribuído, enfatizou o caráter de um homem que "sofria com o jogo de lâminas" constante no dia a dia da política. E frisou também a "simplicidade desarmante" de Marques Júnior, figura "diferente e que inspirava generalizado respeito".

Já Maria de Belém Roseira, deputada e presidente do PS, prestou um emocionado depoimento sobre Marques Júnior: "Foi um militar excecional e distinguido por isso; foi um deputado exemplar e louvado por isso; foi um marido e pai exemplar também, infelizmente pouco tempo avô", referiu.

Presentes na homenagem estiveram também, entre outros, o secretário-geral do PS, António José Seguro, o ministro da Defesa Nacional, Aguiar-Branco, o presidente do Tribunal de Contas, Guilherme d"Oliveira Martins, o antigo presidente da Assembleia da República, Almeida Santos, o ex-procurador-geral da República, Pinto Monteiro, bem como representantes de todas as forças políticas com assento parlamentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.