Marques Guedes diz que discurso do PR foi para todos

O ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, considerou hoje que o discurso do Presidente da República no 25 de Abril foi dirigido a todos os portugueses e a todos órgãos da República.

"É uma declaração dirigida a todos os portugueses, aos portugueses individualmente, aos partidos políticos, aos órgãos de soberania, todos os órgãos da República, necessariamente", declarou o ministro da Presidência, depois de questionado se considera que a intervenção de Cavaco Silva na sessão solene comemorativa do 25 de Abril pode abalar o consenso com o PS a que o Governo tem apelado.

Em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, Luís Marques Guedes acrescentou que "o Governo, como lhe compete, ouviu atentamente e com toda a atenção aquela que foi a intervenção do senhor Presidente da República", mas recusou "fazer comentários públicos às mensagens" de Cavaco Silva.

Ainda quanto ao falado consenso com os parceiros sociais e políticos, o ministro da Presidência foi interrogado se houve conversas com o PS sobre o Orçamento Retificativo para 2013, sobre o Documento de Estratégia Orçamental 2013-2017 e o plano para o crescimento aprovado esta semana, e disse não ter conhecimento de quaisquer avanços.

"Orçamento Retificativo ainda não existe, ainda nem sequer chegou ao Conselho de Ministros uma proposta, portanto imagino que não haja a possibilidade ainda de haver qualquer envolvimento quer do PS quer das outras forças políticas sobre a matéria", declarou Marques Guedes.

Quanto ao Documento de Estratégia Orçamental, o ministro respondeu da mesma forma: "O assunto ainda não foi colocado ao Conselho de Ministros e, portanto, não é matéria que possa ter sido já objeto, penso eu, de qualquer negociação concreta com o PS. De qualquer maneira, estou a dizer apenas aquilo que sei relativamente àquilo que tem estado sobre a mesa no Conselho de Ministros".

No que respeita ao plano para o crescimento, o emprego e o fomento industrial, Marques Guedes referiu que esse documento foi enviado na íntegra para os partidos políticos e os parceiros sociais no dia seguinte à sua aprovação, quarta-feira.

"Não esteve hoje em apreciação no Conselho de Ministros qualquer tipo de avanço ou resposta que entretanto tenha sido já enviada, mas a verdade também é que esse documento foi enviado há 48 horas", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.