Mário Soares pede "democracia a sério"

O antigo Presidente da República Mário Soares pediu hoje "democracia a sério", reiterando críticas às medidas de austeridade protagonizadas pelo Governo da maioria PSD/CDS-PP, que diz estarem a desmantelar o "Estado-Saúde".

"O que é preciso é haver democracia a sério, não destruírem o Estado-Saúde e não fazerem isto que estão a fazer às pessoas, que estão todas a morrer à fome e desesperadas", afirmou, à margem de outra de uma série de homenagens a históricos socialistas, na fundação com o nome do ex-Chefe de Estado.

O fundador do PS recusou comentar a polémica em torno da venda, entretanto suspensa, da coleção estatal de 85 obras plásticas do artista catalão Joan Miró, oriundas do nacionalizado BPN, mas precisou a sua teoria sobre a influência crescente do poder na Comunicação Social.

"Os jornalistas estão numa situação muito difícil, eu compreendo isso. Ou dizem o que os patrões querem e os leitores desaparecem ou não dizem porque têm medo dos patrões, mas quem se lixa são os patrões porque não têm suficientemente gente que vote neles", disse.

Num artigo de opinião publicado na terça-feira no Diário de Notícias, Soares afirmara ter percebido que "alguns jornalistas estavam a ser comprados pelo Governo, direta ou indiretamente", especificando que "simplesmente mudaram de ideologia e de sentido para agradar a quem lhes pagava".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.