Marinho Pinto rompe com o MPT e vai criar novo partido

O eurodeputado Marinho Pinto vai apresentar um novo partido nas próximas semanas, assumindo que a apresentação pública será feita " no final da próxima semana ou na seguinte", noticiou a edição online do jornal i.

O objetivo principal a curto prazo será receber luz verde para que o partido se possa candidatar às próximas legislativas, com data marcada para o final do ano que vem. Marinho Pinto informou que um conjunto de personalidades está a tratar dos últimos requisitos necessários para fundar a nova força política.

Recorde-se que o antigo bastonário da Ordem dos Advogados foi eleito eurodeputado pelo Movimento Partido da Terra (MPT) nas últimas europeias, em Maio deste ano. E anunciou no último mês de agosto, que iria abandonar Bruxelas daqui a um ano para se candidatar à Assembleia da República, pelo MPT, estando também as presidenciais no seu horizonte.

O DN tentou em vão contactar Marinho Pinto.

O presidente do MPT, John Baker Rosas, afirmou ao DN estar "pasmado" com a notícia embora já desde o verão ouvisse uns "zun-zuns".

Segundo explicou, já pediu "esclarecimentos" por mail ao ex-bastonário dos advogados mas ainda sem resposta.

Marinho Pinto terá rompido com o MPT - de que é militante desde junho - devido a uma divergência de nomes para a nova direção do partido, que será eleita no próximo congresso, em Novembro.

Já estava decidido, segundo contou, que Marinho Pinto seria o próximo presidente do MPT, eleito no congresso de novembro. Mas este desejaria fazer uma direção excluíndo "nomes históricos" do partido, o que a atual direção não admitiu.

No fim de semana reuniu com a comissão política do MPT e deixou a reunião a meio por não ter sido possível um entendimento.

Hoje Marinho Pinto faltou em Bruxelas à cerimónia onde o MPT assinou um protocolo de inclusão no grupo parlamentar onde terá assento, a ALDE (Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa).

Marinho Pinto já disse que dentro de um ano deixará o PE para ser candidato nas legislativas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.