Marinho e Pinto formaliza segunda-feira o Partido Democrático Republicano

Ex-bastonário dos advogados e eurodeputado eleito pelo Partido da Terra anuncia ter conseguido reunir um número de assinaturas superior ao legalmente exigido para criar um novo partido.

O Partido Democrático Republicano (PDR), liderado por António Marinho e Pinho, apresenta na segunda-feira o processo da sua legalização no Tribunal Constitucional (TC), tendo conseguido reunir mais de 12.500 assinaturas.

Marinho e Pinto disse à agência Lusa que as mais de 12.500 assinaturas foram recolhidas em todo o país entre 05 de outubro e 20 de novembro.

O ex-bastonário da Ordem dos Advogados adiantou que o partido conseguiu recolher "mais de 70 a 80 por cento das assinaturas necessárias" para entregar no TC, exigindo a lei um mínimo de 7.500 assinaturas.

Marinho e Pinto sublinhou que esta adesão ao PDR significa "a esperança que o partido deposita nas pessoas".

"As pessoas olham para o PDR com esperança, porque é um partido novo e não está comprometido com a degenerescência política que estamos a assistir", disse, frisando que o Partido Democrático Republicano propõe "corrigir e reformar o país" e "corrigir os desvios que se têm assistido na ação política".

O eurodeputado eleito pelo MPT - Partido da Terra afirmou ainda que "as pessoas estão entusiasmadas com o aparecimento do PDR".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.