Marinho e Pinto formaliza segunda-feira o Partido Democrático Republicano

Ex-bastonário dos advogados e eurodeputado eleito pelo Partido da Terra anuncia ter conseguido reunir um número de assinaturas superior ao legalmente exigido para criar um novo partido.

O Partido Democrático Republicano (PDR), liderado por António Marinho e Pinho, apresenta na segunda-feira o processo da sua legalização no Tribunal Constitucional (TC), tendo conseguido reunir mais de 12.500 assinaturas.

Marinho e Pinto disse à agência Lusa que as mais de 12.500 assinaturas foram recolhidas em todo o país entre 05 de outubro e 20 de novembro.

O ex-bastonário da Ordem dos Advogados adiantou que o partido conseguiu recolher "mais de 70 a 80 por cento das assinaturas necessárias" para entregar no TC, exigindo a lei um mínimo de 7.500 assinaturas.

Marinho e Pinto sublinhou que esta adesão ao PDR significa "a esperança que o partido deposita nas pessoas".

"As pessoas olham para o PDR com esperança, porque é um partido novo e não está comprometido com a degenerescência política que estamos a assistir", disse, frisando que o Partido Democrático Republicano propõe "corrigir e reformar o país" e "corrigir os desvios que se têm assistido na ação política".

O eurodeputado eleito pelo MPT - Partido da Terra afirmou ainda que "as pessoas estão entusiasmadas com o aparecimento do PDR".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.