Marcelo defende legislativas antes do verão de 2015

Apelo a entendimento partidário de Cavaco Silva explica-se por preocupação do Presidente da República com futuras promessas eleitorais.

Marcelo Rebelo de Sousa está "cada vez mais convencido que é prudente ter eleições legislativas antes do verão" do próximo ano. Ao analisar o apelo a um entendimento partidário antes do Orçamento para 2015, que Cavaco Silva fez nas cerimónias do 10 de junho, o antigo líder do PSD notou que "esta insistência" do Presidente da República não é apenas para "memória futura", como sugeriu na véspera Marques Mendes.

No seu comentário na TVI, Marcelo entende que Cavaco "está preocupado" - "e com razão" - porque "no dia em que for eleito o líder do PS, começa a campanha eleitoral" para as eleições de 2015. E aí poderá haver a tentação "de parte a parte" de fazer "promessas". Por isso, Marcelo aconselha a que, em Belém, se ouçam os dois socialistas, António Costa e António José Seguro.

O também conselheiro de Estado insiste que o Presidente da República antecipe as eleições em 2015. Se forem em outubro, como previsto, será uma "misturada", com a discussão do Orçamento para 2016, as legislativas e a campanha para as eleições presidenciais, que serão em janeiro de 2016.

Ainda sobre a disputa no PS, Marcelo pegou na entrevista de Alberto Martins, o líder parlamentar e apoiante de Seguro, ao jornal i, que empurra o partido para a esquerda, para concluir que "não há nenhuma diferença ideológica entre os dois", Costa e Seguro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.