Mar e agricultura agora "são cool" garante Cristas

Já lá vai o tempo em que as pessoas tinham "vergonha" de dizer que trabalhavam na agricultura, disse esta manhã a ministra da Agricultura e do Mar, na "Escola de Quadros" que o CDS-PP está a levar a cabo em Peniche. Agora "dizer eu vou fazer ervas aromáticas, eu vou fazer mirtilos" é um orgulho - "não é vergonha nenhuma".

Ainda antes de entrar na sala, Assunção Cristas confessava ao assessor do CDS que não tinha "preparado nada para a aula". "Sei bem o que quero dizer, não sei bem é como", reconhecia a sair do elevador, sorridente.

À sua espera tinha uma sala lotada dos jovens quadros do CDS, que estão em Peniche na primeira escola do partido. O improviso de Cristas não podia ser melhor. Os 'jotinhas' bebiam cada palavra da ministra que lhes falou do tempo em que "o discurso dominante era que a agricultura não tinha futuro" e em dizer que trabalhar na agricultura era uma "vergonha". Agora, assinalou, "dizer eu vou fazer ervas aromáticas, ou eu vou fazer mirtilos não é vergonha nenhuma".

A governante garante que as atividades económicas do "mar e agricultura são 'cool' porque somos um país de gente 'cool', somos a 'joalharia' agrícola, fazemos produtos de excelência". Para demonstrar estatisticamente o renovado interesse dos portugueses neste setor, Assunção Cristas lembrou que quando chegou ao governo "a execução dos financiamentos PRODER [Programa de Desenvolvimento Rural] era 10% abaixo da média europeia, agora é de 4%, acima dessa média". E mais dados: 12% de crescimento de emprego neste setor em 2013; 1600 candidaturas por mês a chegar ao ministério.

Assunção Cristas não deixava a 'turma' distrair-se, fez perguntas, interagiu. "Sabem qual é a idade média do agricultor português?", questionou. Alguns atiraram números à sorte, todos abaixo da realidade, mas ninguém acertou. "63 anos", respondeu Cristas, sublinhando a nova/sua política de apoiar os jovens agricultores. "Cerca de 7000 já foram apoiados" pelo PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural), destaca, frisando também a cada vez maior presença das mulheres, jovens agricultoras, neste setor de atividade. "40% dos jovens agricultores são mulheres e em algumas regiões, como a serra da Estrela ou o Ave, com 60%", asseverou.