Manifestantes gritaram "gatunos" à saída dos conselheiros

(ATUALIZADA) Cinco pessoas foram detidas na manifestação frente à Presidência da República, quatro por arremesso de petardos e um por resistência às autoridades. O Conselho de Estado acabou por volta da uma da manhã, com os conselheiros a saírem todos ao mesmo tempo, de carro.

(Notícia atualizada às 11.00)

Os cinco detidos durante os protestos foram libertados na madrugada de hoje e serão presentes a tribunal a partir das 10:00 de segunda-feira, disse à Lusa fonte da PSP.

O oficial de dia da PSP adiantou à Lusa que os cinco detidos - quatro por arremesso de petardos e outro por resistência e coação - foram levados para a 4.ª Divisão da PSP e libertados após a elaboração dos autos.

O Conselho de Estado começou pelas 17.15. Quase oito horas depois, ouviram-se, nas ruas, assobios e gritos de "gatunos" quando os conselheiros saíram de carro. O trânsito em torno do Palácio de Belém foi reaberto por volta das 1.30, quando já se encontravam poucos manifestantes no local.

A polícia de intervenção presente no local foi ao início da noite reforçada com vários elementos, numa altura em que o ambiente ficava mais tenso, tendo mesmo sido arremessadas garrafas contra os agentes. Foi por volta das 22.00 que a situação se mostrou mais tensa.

Durante a tarde, à chegada dos Conselheiros de Estado, os manifestantes gritaram palavras de ordem de cada vez que um carro entrava na residência oficial do Presidente. "Cavaco escuta, o povo está em luta", diziam.

As pessoas aproveitaram o protesto não só para mostrar o seu descontentamento com cartazes, mas também cantando várias canções de intervenção, entre as quais o "Acordai", de Fernando Lopes Graça com poema de José Gomes Ferreira, a "Internacional" e a "Grândola Vila Morena", de Zeca Afonso.

A reunião do Conselho de Estado, no qual participou a título extraordinário o ministro das finanças, Vítor Gaspar, teve como tema central as reformas da TSU anunciadas pelo primeiro-ministro e pelo titular da pasta das Finanças nas últimas duas semanas.

"Exigimos uma outra solução para o país, um outro governo de legitimidade popular. É necessária a demissão deste país que já demonstrou incapacidade", afirmou à SIC Frederico Aleixo, organizador da manifestação "Que se lixe a troika!" que marchou por Lisboa no sábado passado.

"Faço parte de uma geração e fomos mandámos para uma guerra sem retorno onde nos portámos com heroismo. Agora o que sonhámos para os nossos netos foi-nos tirado. Sinto-me traído", afirmou um militar na manifestação à SIC. Também estudantes trajados a rigor se reúnem em frente ao Palácio.

Em declarações aos jornalistas, o deputado comunista Miguel Tiago frisou que "este Governo não tem condições para continuar e que o Presidente da República que jurou cumprir a constituição devia ter isso em conta". Mas para o PCP, Cavaco Silva "está comprometido com outros interesses que não os do povo, de contrário já teria usado os seus poderes para travar esta política desastrosa e destruidora".

Já a deputada bloquista Catarina Martins considerou que a manifestação "mostra a democracia a funcionar" e sublinhou que Cavaco deve ouvir o povo, que pretende a demissão de um Governo "sem capacidade, legitimidade e autoridade".

"Todos os agentes e grupos sociais devem demonstrar abertura para encontrar soluções para a situação do país. Tenho esperança que através do diálogo construtivo consigamos ultrapassar as atuais dificuldades, tendo presente o acordo internacional que não podemos deixar de cumprir mas tendo em conta o interesse das famílias, das empresas e pessoas em geral. E por isso irei ouvir com atenção os conselheiros esta tarde", afirmou ontem de manhã o Presidente da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.