Mais de 1.500 pessoas em jantar de apoio a Moita Flores

O jantar de apresentação da candidatura social-democrata de Francisco Moita Flores à Câmara de Oeiras contou sábado com a presença de mais de 1.500 pessoas, um momento de "emoção" para aquele que promete uma nova ambição para o concelho.

O pavilhão da Escola Náutica de Paço de Arcos foi pequeno para a quantidade de pessoas que quiseram marcar presença e apoiar Moita Flores, já que os 1.500 lugares não foram suficientes para as cerca de 1700 pessoas que apareceram.

"Emocionado" com o "mar de gente" que se juntou para o apoiar, Moita Flores assegurou, no seu discurso, que irá "honrar a confiança depositada e os compromissos a assumir".

À semelhança do que já havia dito em entrevista à agência Lusa, Moita Flores reiterou a intenção de continuar o caminho de Isaltino Morais.

"Uma Nova Ambição para Oeiras" é o lema da campanha de Moita Flores que promete "consolidar o prestígio" do concelho, "aprofundar relações, acrescentando riqueza e conhecimento ".

Entre os apoiantes estava o secretário de Estado do Ambiente, Pedro Afonso Paulo, o vice-presidente da direção nacional do PSD e candidato à Câmara de Sintra, Pedro Pinto e o secretário-geral do PSD, Marques Rosa, que, à Lusa, se mostrou convicto na vitória de Moita Flores.

"É uma candidatura vencedora que congrega todo o partido e que os oeirenses querem", afirmou.

A expectativa para as próximas eleições autárquicas estende-se também a todo o país. "Estamos a trabalhar com muita calma e esperamos ter um bom resultado também ao nível nacional", sustentou Marques Rosa.

Além de Francisco Moita Flores, são já conhecidas também as candidaturas de Paulo Vistas pelo movimento independente Isaltino, Oeiras Mais " Frente (IOMAF) e Marcos Sá pelo PS.

A última vez que o PSD venceu as eleições em Oeiras foi em 2001, com a candidatura de Isaltino Morais, que nas eleições de 2005 perdeu o apoio do partido, mas foi eleito presidente, cargo em que se mantém como independente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.