Limitar animais em casa é "fascismo higiénico"

O deputado e porta-voz do CDS-PP, João Almeida, qualificou a proposta da ministra Assunção Cristas, para limitar o número de animais em casa, como "um exemplo de fascismo higiénico".

"De vez em quando, surgem estas ideias luminosas. Ninguém, muito menos o estado, tem alguma coisa a ver com o número de animais domésticos que cada um tenha ou queira ter. E, devo dizer, que não tenho, nem tenciono ter, nenhum. Nem que o estado me queira a isso obrigar", escreveu João Almeida, esta terça-feira, na sua página pública do Facebook.

Questionado por criticar uma proposta cuja autoria pertence à ministra do CDS Assunção Cristas, João Almeida respondeu: "Critiquei medidas igualmente abusivas vindas de outras áreas do Governo, designadamente da Saúde, não deixaria de o fazer por vir da área de uma ministra do meu partido."

João Almeida parece depois ilibar Assunção Cristas: "Considero que estas medidas são muito mais fruto da burocracia técnica do que da decisão política."

Pouco depois, João Almeida escreveu o seguinte: "Acabei de colocar a questão à ministra. A resposta foi esclarecedora. O projecto de diploma foi trabalhado tecnicamente e ainda não foi avaliado politicamente.

Quanto às críticas do líder parlamentar, Nuno Magalhães, ou do eurodeputado Diogo Feio ao deputado Ribeiro e Castro, quando este discordou do fim do feriado do 1º de Dezembro, João Almeida negou serem críticas: "Isso não é verdade. Também exerceram a sua liberdade de opinião."

"A liberdade de voto é permitida e já a exerci" noutras ocasiões, insistiu o deputado.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.