Liliana Rodrigues, a independente que vem do Funchal

Ex-professora e investigadora, Liliana Rodrigues tem uma família "já habituada às deslocações (nomeadamente para o Brasil) e prolongadas". A partir de amanhã o Parlamento Europeu torna-se "a prioridade".

Liliana Rodrigues

- 41 anos

- Vive no Funchal

- Formada em Filosofia e com a especialidade em Educação

- Professora e investigadora na Universidade da Madeira

- Vai defender as regiões periféricas

Liliana Rodrigues deixou as aulas e distribuiu as orientações científicas aos alunos que acompanhava na Universidade da Madeira, mas manterá sempre um pé nesta região autónoma.

"A grande diferença é que passo de um trabalho na Madeira para um trabalho em Bruxelas", explica, acrescentando que, no entanto, a investigação é um trabalho mais solitário e um parlamento mais de equipa, o que também a seduz. "É um trabalho de equipa e onde se vão cruzar as várias áreas. Sei que tenho o apoio dos deputados socialistas".

Sente que, por vezes, as instâncias europeias se esquecem das regiões periféricas e é por elas que vai lutar, promete. "E por uma Europa unida".

O clima é a sua principal preocupação. Procura um apartamento que fique relativamente próximo do PE, onde espera juntar a família sempre que o trabalho parlamentar se tornar mais intenso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.