"Lamento que não se cortem cabeças em democracia"

O general Garcia dos Santos lamentou esta quarta-feira que em democracia "não se cortem cabeças" e fez duras críticas ao Presidente da República, Cavaco Silva, que acusou de ser "um cobarde e uma nulidade completa".

"Sou democrata, mas isso não significa que em democracia não se cortem cabeças" ou que "não exista disciplina", declarou o capitão de Abril, um dos oficiais que estavam no posto de comando do Movimento das Forças Armadas no Regimento de Engenharia da Pontinha (Lisboa).Garcia dos Santos, que intervinha num almoço organizado na Associação 25 de Abril e em que os convidados eram esses oficiais, acusou depois Cavaco Silva de ser "um cobarde e uma nulidade completa".Lembrando o percurso académico, profissional e político de Cavaco Silva, Garcia dos Santos argumentou que o Presidente "sabia perfeitamente como devia pôr cobro à situação que o País atravessa": há cinco anos "devia ter dado dois murros na mesa" e chamado os partidos para se entenderem a fim de resolver os problemas do País.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.