"Lamento que não se cortem cabeças em democracia"

O general Garcia dos Santos lamentou esta quarta-feira que em democracia "não se cortem cabeças" e fez duras críticas ao Presidente da República, Cavaco Silva, que acusou de ser "um cobarde e uma nulidade completa".

"Sou democrata, mas isso não significa que em democracia não se cortem cabeças" ou que "não exista disciplina", declarou o capitão de Abril, um dos oficiais que estavam no posto de comando do Movimento das Forças Armadas no Regimento de Engenharia da Pontinha (Lisboa).Garcia dos Santos, que intervinha num almoço organizado na Associação 25 de Abril e em que os convidados eram esses oficiais, acusou depois Cavaco Silva de ser "um cobarde e uma nulidade completa".Lembrando o percurso académico, profissional e político de Cavaco Silva, Garcia dos Santos argumentou que o Presidente "sabia perfeitamente como devia pôr cobro à situação que o País atravessa": há cinco anos "devia ter dado dois murros na mesa" e chamado os partidos para se entenderem a fim de resolver os problemas do País.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.