Lajes: Congressista americano pede intervenção da Casa Branca

Tony Cabral admite que o "diálogo seria diferente" se a administração de Barack Obama interviesse junto do Pentágono e do Departamento de Estado "para reavaliarem a situação" da base das Lajes.

Antonio "Tony" Cabral não tem dúvidas de que os termos da redução do contingente norte-americano na base das Lajes deveriam ser revistos. O congressista estadual do Massachusetts, nascido nos Açores, defende mesmo que uma intervenção da Casa Branca permitiria amenizar a redução de dois terços dos seus efetivos na Terceira.

Ao DN, o democrata Tony Cabral prefere não comentar se a medida - para poupar 30 milhões de euros num orçamento global de 454 mil milhões - resultou de uma falha diplomática, mas sublinha que a administração Obama "pode pedir ao Pentágono e ao Departamento de Estado para reavaliar a situação". E acrescenta: "Provavelmente, se o fizesse, o diálogo seria diferente."

Saiba mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.