José Sócrates convidou Passos para o Governo

O ex-primeiro-ministro, José Sócrates revelou, em entrevista à TSF, que chegou a convidar o atual primeiro-ministro, Passos Coelho, a juntar-se a ele no Governo. Agora, defende que o PS deve exigir eleições antecipadas.

O antigo primeiro-ministro revelou, numa entrevista à TSF, que em 2011 convidou Pedro Passos Coelho para uma coligação mais do que uma vez, um convite sempre recusado. José Sócrates falava sobre a hipótese de evitar um cenário de eleições antecipadas com a entrada do PS no Governo, numa espécie de bloco central de salvação nacional.

José Sócrates defende agora que António José Seguro tem de exigir uma única moeda de troca, as eleições antecipadas.

Acrescenta ainda que, apesar das diversas vozes, internas e externas, apontarem a Constituição como um entrave, um cenário de revisão constitucional deve ser, a esta altura, a "linha vermelha" de Seguro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.