José Manuel Rodrigues (CDS) suspende mandato na região para ficar na AR

O líder do CDS-PP Madeira, José Manuel Rodrigues, vai suspender o mandato no Parlamento regional para permanecer como deputado na Assembleia da República, por considerar que é em Lisboa que se tomarão as "grandes decisões" sobre a região.

"Não tenho a menor dúvida que as grandes decisões sobre o futuro da Madeira vão começar a ser tomadas pela Assembleia da República. Tenho que lamentar isto como madeirense, mas a governação do PSD, a dívida criada pelo Governo Regional do PSD, levou a uma hipoteca da autonomia", disse à Lusa José Manuel Rodrigues.

"Desse ponto de vista, julgo que será mais importante estar no Parlamento nacional, nesta primeira fase, do que estar no Parlamento regional", sublinhou.

O CDS tornou-se no domingo a segunda força mais votada na Madeira, com 17,63 por cento dos votos, enquanto nas últimas eleições foi o quarto partido mais votado, com 5,3 por cento, e aumentou a sua representação de dois para nove deputados.

"Tenho dois mandatos, já tinha anteriormente, e sempre disse que estaria a defender os interesses da Madeira no parlamento onde achasse que, em determinadas circunstâncias, esses interesses estariam em causa", afirmou.

O líder dos democratas-cristãos madeirenses afirmou que essa defesa dos interesses regionais tem passado sobretudo pela Assembleia da República, ilustrando com a lei das finanças regionais e a lei de meios de reconstrução após os temporais de 2010.

A defesa da região continuará a ser preferencialmente feita em Lisboa e José Manuel Rodrigues suspenderá, assim, o mandato de deputado regional, admitindo retomá-lo e suspender o de deputado na Assembleia da República, "em momento que sejam importantes, como a discussão dos orçamentos regionais, por exemplo".

O líder do CDS-PP/Madeira promete uma "oposição construtiva", que "quando critica apresenta uma alternativa", com as "especiais responsabilidades" de ser a segunda força política e no contexto de uma "situação dificílima" nas finanças regionais.

O PSD conquistou no domingo a 10ª maioria absoluta em eleições legislativas regionais da Madeira, tendo conseguido eleger 25 dos 47 deputados regionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.