José Magalhaes: "Marcelo parece ter um problema com senhoras avantajadas"

Após a descrição da visita de uma adolescente ao Parlamento feita esta noite por Marcelo Rebelo de Sousa na TVI, deputado socialista reagiu na sua página no Facebook.

O deputado do PS José Magalhaes utilizou esta noite a rede social Facebook para reagir a uma parte do comentário de Marcelo Rebelo de Sousa no seu espaço dominical na TVI.

Marcelo cita a dada altura uma carta de uma adolescente - que, segundo o comentador, foi enviada para o portal do Governo - na qual relata que numa visita à Assembleia da República o que viu essencialmente foi deputados ao telefone, outros vendo anedotas na Internet, e outros ainda observando nos seus ecrãs "raparigas avantajadas".

José Magalhães, sentindo que este comentário em horário nobre "lançou sobre o todo do hemiciclo uma suspeição de conduta imprópria e estúpida", reagiu no Facebook. E estranha que alguém conseguisse ver, das galerias abertas aos visitantes, qualquer coisa nos ecrãs dos computadores dos deputados. "Mesmo uma Sra muito avantajada dificilmente se distingue de uma banana, quando vista das galerias", afirma o deputado.

Quanto ao facto de estarem vários deputados ao telefone, escreve Magalhães que "a AR não é uma igreja, nem um retiro, nem uma aula", ou seja, é algo perfeitamente normal.

O deputado socialista conclui que "Marcelo parece ter um problema com as Sras avantajadas". E também não concorda com isso: "Protesto! Além de estarem na moda têm direito a não ser discriminadas".

LEIA O TEXTO DE JOSÉ MAGALHÃES NO FACEBOOK NA ÍNTEGRA

(não editado)

Raparigas avantajadas e Marcelo

Muito estranha a carta de adolescente lida pelo professor na TVI .Enviada p o portal do Governo (curioso, a criança ignora q Parlamento tem portal e não depende do executivo, antes pelo contrário).

Curioso Tb porque malta a ver tipas avantajadas em dia de Passos orar ou noutro sob olhar de galerias seria bizarria pelo número e diversidade.

Muito curioso porque a menina só podia estar em uma de 3 galerias: numa vê-se a direita, noutra a esquerda extrema e na do meio um pouco do PS e um pouco do psd; imaginando q a criança estivesse na primeira fila e com binóculos de opera só poderia ver os écrans de um pequeno número de filas e de deputados. Os da maioria ,hipnotizados pelo magnetismo do PM, bebiam-lhe as palavras sem olhos para a Net. Os do PS dedicavam-se a apupar o PM em alta vozearia q motivou alertas da Presidente. Imaginando q a menina espreitava os deputados do PP na galeria virada para estes só poderia vê-los a aplaudir hipocritamente mas com vigor. Pior: quem está mais perto da galeria é a Teresa Anjinho, insuspeita de mirar tipas avantajadas no plenário. Outra, mais em baixo é a Teresa Caeiro (idem, insuspeita). O Ribeiro e Castro (outro insuspeito). João Rebelo (totalmente insuspeito). Etc.

Nas filas do lado oposto estão deputados de esquerda espartana, que nem fumam.

Deputados a falar ao telefone: admito que a criança possa ter visto disso, mas deviam ter-lhe explicado que a AR não é uma igreja, nem um retiro, nem uma aula.

Finalmente mesmo uma Sra muito avantajada dificilmente se distingue de uma banana , quando vista das galerias.

Em suma: o prof Marcelo endossou como verdadeira uma situação impossível, lançando sobre o todo do hemiciclo uma suspeição de conduta imprópria e estúpida (todos sabem que pode haver na galeria fotógrafos com lentes poderosas capazes de captar cenas como a descrita). Hipóteses q Marcelo devia ter considerado: 1) a carta foi fabricada pela PCM p zurzir o Parlamento. 2) a aluna existe mas tem estrabismo ou ambliopia ; 3) o prof nunca andou pelas bancadas de trás (nos tempos em que deputou as bancadas não tinham computadores); 4) o prof sabe tudo o que antecede e quis vergastar os deputados à toa, certo de q estes nada podem fazer para se defenderem e serão tidos por culpados de obscenidade até prova em contrário.

PS: Marcelo parece ter um problema com as Sras avantajadas. Protesto! Além de estarem na moda têm direito a não ser discriminadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.