Jorge Barreto Xavier substitui Francisco José Viegas

O Presidente da República vai dar posse, esta sexta-feira, a três novos secretários de Estado e a uma secretária de Estado que muda de pasta na sequência de uma separação das Finanças e do Tesouro.

Conforme consta da página oficial da Presidência da República, Jorge Barreto Xavier, professor no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE) e ex-diretor-geral das artes entre 2008 e julho de 2010, substitui Francisco José Viegas como secretário de Estado da Cultura.

Henrique Dias Grancho, da Direção Regional de Educação do Norte - e durante anos, presidente da Associação Nacional de Professores -, vai para o lugar de Isabel Silva Leite na secretaria de Estado do Ensino Básico e Superior.

Francisco José Viegas e Isabel Silva Leite saem do Governo a seu pedido, segundo fonte oficial do executivo.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, decidiu separar as pastas das Finanças e do Tesouro, que tinha como secretária de Estado Maria Luís Albuquerque. Esta ficará como secretária de Estado do Tesouro, e irá preparar o regresso de Portugal aos mercados, apurou o DN. Manuel Luís Rodrigues assumirá a nova Secretaria de Estado das Finanças e, apurou ainda o DN, terá responsabilidades nos processos de privatizações. O vice-presidente do PSD, que nos últimos dois anos esteve dedicado à carreira académica, pertenceu à equipa de Eduardo Catroga e Carlos Moedas que negociou, em nome do PSD, o Orçamento de Estado de 2011.

Na sexta-feira, às 12:30, no Palácio de Belém, para além dos três novos secretários de Estado, também Maria Luís Albuquerque tomará posse como secretária de Estado do Tesouro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.