Jerónimo quer referendo sobre saída da UE e do euro

O secretário-geral do PCP defendeu hoje um referendo sobre a saída de Portugal da zona euro e da União Europeia, sublinhando que as políticas de Bruxelas e a moeda única impedem o desenvolvimento do país.

Reiterando que a União Europeia, tal como existe neste momento, "não é reformável", Jerónimo de Sousa destacou, em entrevista à Antena Um, que está "claramente desfeito" o "princípio elevado da coesão económica e social, de uma Europa solidária, tendo em conta as orientações neoliberais que determinam as instituições europeias e que há um diretório de potências que comanda e não um conjunto de países em coesão".

"Eram proclamações que com certeza influenciaram a opinião de muitos portugueses" sobre a construção europeia, sublinhou, acrescentando a seguir que o país precisa de "um desenvolvimento soberano" .

"E neste quadro, se a União Europeia, se as suas instituições e mecanismos, forem impedimento a esse desenvolvimento económico, a esse desenvolvimento soberano, então consideramos que o povo português tem direito a arredar esses obstáculos, esses condicionalismos, designadamente os impostos pelo euro", disse o líder do PCP, reeleito secretário-geral do partido no congresso comunista do passado fim de semana.

Para Jerónimo de Sousa, não se pode "dissociar a questão do euro do processo de integração": "Se esse processo de integração conduzir a uma situação de empobrecimento geral do país, se nos quiserem alienar a soberania, porque já estão a alienar parcelas, obviamente que aquilo que nós colocamos é o povo português ter o direito de decidir inclusive da saída da União Europeia e do euro".

Questionado sobre se essa consulta ao povo português deve ser feita através de um referendo, respondeu: "Designadamente. O povo português nunca foi chamado para se pronunciar sobre instrumentos fundamentais que hoje condicionam a nossa soberania".

Jerónimo de Sousa sublinhou que os problemas do país "não são todos por causa da União Europeia", porque "houve uma política nacional concreta com governos concretos que conduziram o país a esta situação", acrescentando que a "questão primeira e principal" é a de resolver "o problema nacional" e encontrar uma "política diferente".

No congresso do passado fim de semana, o deputado do PCP Agostinho Lopes defendeu que um governo "patriótico e de esquerda deve preparar o país para a saída da zona euro".

"Há duas ilusões a evitar, a que é possível uma política alternativa com a manutenção do euro e mais federalismo como querem o PS e o Bloco de Esquerda e a ideia de que tudo se resolve com uma saída pura e simples do euro, qualquer que seja a forma como se sai e as condições de saída", advertiu.

Para Agostinho Lopes, um governo "patriótico e de esquerda" deve, no entanto, preparar o país para "a reconfiguração da zona euro, nomeadamente a saída da união económica e monetária, por decisão própria ou crise na União Europeia, salvaguardando os interesses de Portugal".

Na abertura do congresso, o próprio Jerónimo de Sousa tinha defendido que os portugueses devem "decidir o seu próprio destino" em relação à União Europeia, que considerou "não ser reformável" e de estar na origem e no aprofundamento da crise, sem nunca chegar a referir-se a um referendo ou ao momento em que essa consulta deveria ser feita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.