Jerónimo diz que nomeação de Franquelim Alves é um "escândalo"

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje um "escândalo" a nomeação de Franquelim Alves para secretário de Estado, argumentando que este devia ser responsabilizado pelo "buraco" do BPN, banco no qual foi administrador.

"Quando se esperava, naturalmente, que fossem responsabilizados por esse crime económico, aqui está: este governo de Passos Coelho elege, nomeia o senhor para secretário de Estado", afirmou.

O secretário-geral do PCP falava durante o comício "Por uma alternativa patriótica e de Esquerda. Um futuro digno para o povo e o país", que hoje à tarde decorreu em Faro.

Franquelim Alves, que foi administrador no grupo Sociedade Lusa de Negócios/Banco Português de Negócios (SLN/BPN), substituiu Carlos Nuno Oliveira, na secretaria de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação.

"Para o Governo, o crime compensa. A nomeação de um personagem que foi administrador no BPN é bem o exemplo da natureza das opções ao serviço de quem está neste Governo", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.