Jerónimo de Sousa acusa Governo de "ofender" trabalho

O secretário-geral comunista acusou hoje o Governo de "desqualificar" e "ofender" o trabalho, numa passagem pela Festa do Avante!, que os militantes do PCP dizem servir este ano para dar "novo alento" à "luta" após o anúncio de mais austeridade.

Jerónimo de Sousa visitou hoje a exposição 'O trabalho e os trabalhadores', que reúne fotografias de 35 fotógrafos e fotojornalistas e está em exibição na Festa do Avante!, que decorre até domingo na Quinta da Atalaia, na Amora, Seixal.

"Fiz questão de visitar [esta exposição] porque tem uma grande atualidade e um grande significado também, que é a forma como os fotógrafos aqui representados dão valor ao trabalho, tão desqualificado, descaracterizado e ofendido por esta política do Governo em que os trabalhadores são os principais mal tratados. Creio que esta exposição tem essa mensagem forte: de forma multifacetada, e por diversas profissões, valorizar o trabalho e os trabalhadores", disse o líder do PCP aos jornalistas, um dia depois de o primeiro-ministro ter anunciado ao país mais medidas de austeridade.

Na sexta-feira, no discurso de abertura da Festa do Avante!, Jerónimo de Sousa considerou que a declaração do primeiro-ministro, em que Passos Coelho anunciou novas medidas de austeridade, "foi pior" que o esperado, traduzindo-se "num mês de salário roubado a todos os trabalhadores", e apelou aos portugueses para que se "ergam" contra o Governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.