Jerónimo contra "lamúrias" quer saber onde vão ser os cortes

Jerónimo de Sousa pressionou ontem o Governo a revelar "qual é o mal que quer fazer aos reformados e pensionistas", apelando ao primeiro-ministro para que "se deixe de lamúrias" e revele antes quais são os cortes que estão na calha na despesa do Estado, apesar das eleições autárquicas estarem à porta.

Segundo o líder comunista, Pedro Passos Coelho está condicionado pelo ato eleitoral de 29 de setembro, pelo que se limita a falar "meia-verdade", quando devia concretizar o que entende "por esse guião do FMI que pretende uma nova ofensiva no plano laboral e no plano salarial?". "É corte, é taxa? Sim ou não, vai levar a um novo assalto nas reformas e nas pensões?", questionou, admitindo que o Governo "procura dar boas notícias, quando não existem notícias boas para dar".

E deu mais exemplos sobre outras "meias-verdades": "O que é que o primeiro-ministro diz em relação à ameaça de cortes em relação à Saúde, à Educação, à proteção social?", perguntou o secretário-geral do PCP, durante um encontro com jornalistas que ontem teve lugar à mesa de um café em plena Festa do Avante (Seixal).

Já com a Quinta da Atalaia repleta, Jerónimo de Sousa abordou as eleições autárquicas, precisamente num concelho onde a CDU conhece um dos principais desafios no distrito de Setúbal, onde detém hegemonia, após a saída do "dinossauro" Alfredo Monteiro e a candidatura de Joaquim Santos, que deixa a oposição à espreita.

De resto, a questão da limitação de mandatos seria tema em foco, com Jerónimo de Sousa a recordar ter sido contra a lei e a congratular-se com as clarificações do Tribunal Constitucional. "Cabe aos eleitores escolherem que autarcas querem. Não está na mão do legislador", referiu, dirigindo-se ao Bloco de Esquerda, a quem acusou de se ter "aproximado perigosamente desse movimento reacionário e protofascista, que procura ganhar na secretaria aquilo que não conseguem no terreno junto das populações". Jerónimo não vê necessidade de qualquer clarificação sobre o tema, como propõe o BE.

Por entre a música que "invadia" a tarde no Avante, enquanto as filas já se acumulavam na visita à exposição sobre o centenário de Álvaro Cunhal, no Espaço Central, ficou ainda a saber-se que a CDU vai concorrer a 301 municípios e 1700 freguesias - mais 86 do que em 2009 - tendo ficado de fora sete câmaras dos Açores. O líder do PCP anunciou 12 mil candidatos independentes pela CDU, que representam um terço do total, avançando que não tem metas traçadas, mas espera alcançar mais votos e mais mandatos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.