Jerónimo acusa Ulrich de falar de "barriga cheia"

Jerónimo de Sousa reafirmou hoje que a dívida com a "troika" deve ser renegociada e criticou as declarações de Fernando Ulrich, administrador do BPI. "Falam de barriga cheia!", disse.

durante o comício "Por uma alternativa patriótica e de Esquerda. Um futuro digno para o povo e o país", que hoje à tarde decorreu em Faro, o secretário geral do PCP, reafirmou que a dívida com a "troika" deve ser renegociada, mesmo após o primeiro-ministro ter frisado que os credores não querem renegociar.

"Ou Passos Coelho esperará que se chegue ao momento, e ele pode chegar, que é esta situação de nós não podermos pagar?", questionou.

Perante uma sala cheia, o líder do PCP disse também que o Governo PSD/CDS "vive da mentira", da "publicidade enganosa" e da "criação de ilusões", justificando as suas medidas com "falsos dilemas".

"É uma falácia vir Passos Coelho dizer que 2014 será, finalmente, o ano de viragem do país; e que o Governo trabalha já no 'pós-troika', com o país a recuperar, é outra fraude", afirmou.

Jerónimo de Sousa criticou ainda as declarações de Fernando Ulrich, administrador do BPI, quando disse que "se os sem-abrigo aguentam, os portugueses também aguentam", acusando-o de estar de "barriga cheia".

"Tanto faz que o país e a vida dos portugueses se afunde, desde que eles continuem a amealhar milhões! Falam de barriga cheia!", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.