Jardim diz ter "mãos atadas" por "leis tontas"

O presidente do PSD-Madeira, Alberto João Jardim, reconheceu hoje que o desemprego jovem "é um problema grave" da Região, mas confessou estar de "mãos atadas" devido às "leis tontas" de Lisboa.

Ao intervir no comício realizado em Câmara de Lobos no âmbito do "Dia da Madeira e das Comunidades Madeirenses", Alberto João Jardim reivindicou "mais autonomia" para que a Região possa adotar medidas específicas de investimento e de combate ao desemprego.

"Nós temos, neste momento, um problema grave de emprego dos jovens na Madeira e eu sinto-me de mãos atadas porque preciso fugir àquelas asneiradas, àquelas leis tontas, àquela pressão dos países mais ricos sobre um Portugal pobre, e tenho as mãos atadas", declarou.

Exemplificando com uma lei da República que exige que os agricultores de 70 anos façam um curso para poderem receber apoios comunitários, o governante madeirense insistiu: "a Madeira não pode estar a receber leis de Lisboa, quase todas elas tontas, porque aquela gente perdeu o juízo. Ainda hoje mexeram em ministros outra vez". Disse ainda ser a Madeira a região onde a República "tem mais funcionários, por cabeça, vindos de Lisboa para vigiar".

"Não precisamos de vigias, não precisamos de tutelas, o que precisamos é de criar emprego aos jovens que precisam de emprego e não têm por causa das leis tontas de Lisboa", vociferou, prosseguindo: "Se a nossa autonomia fosse aquela que sempre defendi, nós não estávamos sujeitos a estas coisas".

Numa alusão às eleições autárquicas de 29 de setembro, Alberto João Jardim apelou aos madeirenses para que escolham "os melhores", para que, ao seu lado, "possam resistir a Lisboa".

O PSD-M apresenta como candidato à presidência do município de Câmara de Lobos o economista Pedro Coelho, que promete "abrir as portas dos gabinetes para ouvir as pessoas", numa política de proximidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.