Independentistas das Canárias ocupam Selvagem Pequena

(COM VÍDEO) Um navio patrulha da Armada Portuguesa vai neste momento a caminho das ilhas Selvagens para no terreno avaliar a situação espoletada por um grupo de independentistas das ilhas Canárias - Alternativa Nacionalista Canária (ANC) - que ontem desembarcaram na Selvagem Pequena num protesto simbólico de contestação às prospeções petrolíferas previstas na zona e de reivindicação de soberania sobre aquele arquipélago.

Os dois ocupantes canários permanecem nas Selvagens perante a "passividade" do Governo português, disse ao DN fonte ligada ao processo.

O navio patrulha que saiu esta manhã do Funchal tem chegada prevista para as 22:00.

O DN apurou que durante o dia de ontem, um veleiro com 4 ocupantes, três homens e uma mulher, ligados ao ANC, (movimento para a independência das ilhas Canárias) ancoraram ao largo das ilhas tendo visitado as mesmas. Horas depois o veleiro seguiu viagem deixando dois dos ocupantes em terra com os objetivo de reivindicarem não só a independência das Canárias como o "direito" às Selvagens e à zona económica exclusiva.

Manuel António Correia, secretário regional do Ambiente e dos Recursos Naturais, confirmou que já informou o Governo da República da atual situação, lembrando que existem naquele arquipélago cinco funcionários vigilantes da Natureza, mas que até agora não houve incidentes.

Pedro Gonzalez, porta-voz da ANC, explicou hoje à agência Lusa que a ação não pretende "abrir qualquer conflito com Portugal" - que tem a soberania sobre as Selvagens -, mas antes "sensibilizar os portugueses para o problema das prospeções petrolíferas".

"Queremos que Portugal, no seu trabalho de proteção deste meio ambiente, e em consideração deste espaço natural, tenha consciências de que as explorações petrolíferas serão próximas. Portugal pode ter essa sensibilidade porque o demonstra com os seus espaços naturais", disse, apelando também à intervenção da UE no caso.

VEJA AQUI UM VÍDEO DA ANC SOBRE AS SELVAGENS:

Em junho passado, o Tribunal Supremo espanhol rejeitou sete recursos apresentados contra o decreto que autorizava a realização de "perfurações exploratórias" para procurar petróleo nas águas próximas ao arquipélago das Canárias.

No final de maio passado, o Governo espanhol deu 'luz verde' à realização das "perfurações exploratórias", contra a posição das autoridades das ilhas e de várias organizações ambientais.

O Governo das Canárias, o Parlamento e os cabildos (entidade administrativa local) de Lanzarote e Furteventura opõem-se a todo tipo de prospeções petrolíferas na zona, porque consideram que põem em risco o património natural e a indústria turística do arquipélago.

O Fundo Mundial para a Vida Selvagem e Natureza (WWF) apresentou no início de junho uma queixa na Comissão Europeia por incumprimento das normas comunitárias quanto à autorização das prospeções da petrolífera Repsol nas Canárias.

Pedro Gonzalez reiterou que a ANC, como força independentista, defende a independência do arquipélago das Canárias e que, nesse cenário, "se teria que conversar com Portugal".

"Somos independentistas. O tema das Selvagens tem que ser resolvido com Portugal. Temos que aplicar a lei do mar e traçar uma linha mediana com a Madeira, o que colocaria as Selvagens em águas das Canárias. Tal como o fazemos com as linhas medianas com Marrocos", afirmou.

O facto de estas ilhas se encontrarem mais próximas do arquipélago das Canárias do que do da Madeira (165 quilómetros a norte das Canárias e a 250 quilómetros a sul da cidade do Funchal) tem provocado alguma discórdia entre Portugal e Espanha.

Uma série de registos factuais confirmam os mal-estares registados pontualmente entre os dois países. Em setembro de 1911, o Governo espanhol comunicou a Portugal que deliberara incorporar as Selvagens nas Canárias, mas em 1938, a Comissão Permanente de Direito Marítimo Internacional confirmou a soberania portuguesa.

Em 1972, ocorreu a apreensão nas ilhas de duas embarcações de pesca espanholas, três anos depois, espanhóis das Canárias hastearam a bandeira espanhola na Deserta Grande, em 1996 um helicóptero da Força Aérea espanhola aterrou na Selvagem Grande e, em 1997, foram registados voos rasantes de aviões militares espanhóis sobre a Reserva Natural.

A questão da classificação das Selvagens como "rochedos" ou como "ilhas" tem também marcado alguma tensão entre os dois países, porque, segundo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, enquanto "rochedo", o Estado tem direito a 12 milhas do mar territorial e a uma zona contígua até às 24 milhas e, enquanto "ilhas", dispõe do direito a uma Zona Económica Exclusiva que pode ir até às 200 milhas.

Esta definição ganha importância por estarem em curso, até 2016, os estudos da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.